Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 20 de julho de 2016. Atualizado às 23h53.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Argentina

Notícia da edição impressa de 21/07/2016. Alterada em 20/07 às 23h50min

Justiça pede prisão de ex-chanceler iraniano por atentado em 1994

A Justiça argentina pediu a Cingapura e Malásia a prisão com fins de extradição de um dos supostos autores intelectuais do atentado terrorista à sede da Amia (Associação Mutual Israelita Argentina), que matou 85 pessoas em 1994. A solicitação é para que seja detido Alí Akbar Velayati, ministro de Relações Exteriores do Irã à época da ação e procurado há dez anos pela Interpol.
Em 2006, uma investigação da Justiça argentina concluiu que Velayati, outros cinco altos funcionários do Irã e um libanês membro do Hezbollah eram os responsáveis pelo atentado. Segundo o jornal Clarín, a prisão foi pedida pelo juiz Rodolfo Canicoba Corral após a mídia iraniana publicar, na segunda-feira - data em que o ataque completou 22 anos -, que o atual presidente do Centro para Investigação Estratégica do Irã viajaria a Cingapura e Malásia para dar palestras.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia