Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de julho de 2016. Atualizado às 14h09.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

reino unido

13/07/2016 - 13h55min. Alterada em 13/07 às 14h10min

David Cameron se despede do cargo de primeiro-ministro do Reino Unido

David Cameron deixou cargo de primeiro ministro do Reino Unido

David Cameron deixou cargo de primeiro ministro do Reino Unido


Geoff CADDICK/AFP/JC
Agência Brasil
O primeiro-ministro do Reino Unido David Cameron fez hoje (13), por volta das 16h30 (horário local), pronunciamento de despedida do cargo na Downing Street, residência oficial do primeiro-ministro, em Westminster, Londres.
No discurso, Cameron agradeceu as manifestações de apoio que recebeu nos últimos dias e disse que a maior honra de sua vida foi ter sido primeiro-ministro do Reino Unido, "um país que tanto ama".
Após o pronunciamento, Cameron, a mulher e os 3 filhos deixaram a residência em carros oficiais, escoltados pela polícia. David Cameron seguiu para o Palácio de Buckingham onde, por volta das 17h (horário local), terá sua última audiência com a rainha Elizabeth II como primeiro-ministro, e apresentará a sua demissão.
Ainda hoje, Theresa May, a sucessora de David Cameron, tomará posse como primeira-ministra. Ela é a segunda mulher a ocupar o cargo, 26 anos após a saída de Margaret Thatcher do posto.
Theresa May será responsável por conduzir a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), após votação do referendo em que os britânicos decidiram por deixar o bloco europeu.
Durante toda a campanha do referendo, May foi defensora da permanência do Reino Unido na UE, mas afirmou que o resultado do plebiscito deve ser respeitado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia