Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 21 de julho de 2016. Atualizado às 20h36.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Rio-2016

21/07/2016 - 20h39min. Alterada em 21/07 às 20h39min

Para ministro, únicos focos de possível terrorismo no Rio-2016 foram afastados

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, reafirmou nesta quinta-feira que os integrantes do grupo de simpatizantes do Estado Islâmico, que trocavam informações sobre supostos ataques terroristas nos Jogos Olímpicos do Rio, em agosto, são "extremamente amadores". Eles também não se conheciam pessoalmente, com exceção de "dois pares".
"Dois se conheciam da prisão. Eles foram condenados a seis anos de detenção por homicídio. E outros dois se conheciam de anos atrás", disse o ministro, que esteve no Rio de Janeiro para acompanhar o início da operação de Policiais Rodoviários Federais na operação de segurança da Olimpíada.
O ministro citou como exemplo de amadorismo uma convocação, a poucos dias do início dos Jogos, para que os integrantes do grupo treinassem artes marciais. "O suposto líder, e dizemos suposto líder porque a maior parte das comunicações partia sempre dele, estava pedindo para iniciarem o treinamento de artes marciais e de tiro. O que vale dizer que nenhum deles tinha treinamento algum", afirmou.
"O amadorismo do grupo não deve afastar a necessidade de pronta atuação do poder público. Qualquer indício de ato preparatório que nós captarmos, a nossa resposta será imediata para que não deixe avançar qualquer ideia e prejudicar as Olimpíadas", afirmou Alexandre de Moraes.
Não houve pedido de compartilhamento de informações dessa investigação por outros países, mas o ministro afirmou que vários serviços de inteligência colaboraram com o Brasil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia