Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de julho de 2016. Atualizado às 22h14.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

campeonato brasileiro

11/07/2016 - 22h15min. Alterada em 11/07 às 22h15min

Atlético-PR faz 3 no Cruzeiro no Mineirão e sobe para o G4

Com uma atuação surpreendente no segundo tempo, o Atlético Paranaense impôs dura derrota ao Cruzeiro na noite desta segunda-feira, no Mineirão. O visitante aplicou 3 a 0 no time anfitrião e subiu para o G4 do Brasileirão, diante do técnico da seleção brasileira, Tite, e do treinador do time olímpico, Rogério Micale, presentes nas tribunas do estádio de Belo Horizonte.
O Atlético construiu a vitória em apenas dois minutos, na etapa final, com gols aos 20 e aos 22, após um fraco desempenho no primeiro tempo - marcou ainda aos 34. Mesmo dominado pelo Cruzeiro, o time paranaense "matou" o jogo em ataques pontuais, nos quais brilhou o atacante André Lima, autor de dois gols.
Esbanjando eficiência, o Atlético chegou aos 23 pontos e deu um salto na tabela. Passou do 9º para o 4º lugar - poderá ser superado caso o Santos vença o líder Palmeiras nesta terça-feira. Já o Cruzeiro se aproximou mais da zona de rebaixamento. Está apenas duas posições acima da degola, porém com os mesmos 15 pontos do Figueirense, primeiro time dentro na temida zona.
O resultado ofuscou a estreia do atacante Rafael Sobis, principal contratação do clube mineiro para o Brasileirão. E ainda aumentou a pressão sobre o técnico Paulo Bento, contestado por parte da torcida, que deixou o Mineirão com vaias aos jogadores e à diretoria cruzeirense.
O JOGO - No castigado campo do Mineirão, que passou por recente troca de gramado, o Cruzeiro tratou de se impor diante de sua torcida desde os primeiros minutos. Em ritmo acelerado, partiu para o ataque e logo a partida se transformou em um duelo franco de ataque contra defesa.
O primeiro bom lance cruzeirense surgiu logo aos 4 minutos. E foi iniciado pelo estreante Rafael Sobis, já demonstrando rápida adaptação ao novo time. Willian acertou forte chute de fora da área e deu trabalho para o goleiro Weverton.
Quatro minutos depois, o mesmo Willian finalizou cruzado e só assustou o goleiro atleticano. Outra boa oportunidade veio aos 15, desta vez com Sobis finalizando, de cabeça. Weverton fez a defesa com certa tranquilidade.
A melhor oportunidade, contudo, surgiu somente aos 36. E veio em dose dupla. Na primeira, Robinho acertou forte chute de fora da área e Weverton fez bela defesa. No rebote, Sóbis bateu com perigo. A arbitragem marcou impedimento, que não existia.
O Atlético só esboçou reação nos minutos finais, com dois ataques. Foi pouco para equilibrar o confronto, que tinha o Cruzeiro com quase 60% de posse de bola e 15 finalizações, contra apenas três dos visitantes.
O segundo tempo parecia desenhar o mesmo panorama, embora o Atlético demonstrasse maior iniciativa no ataque. No entanto, a maior mudança para a etapa inicial foi a atuação da defesa anfitriã. Foram necessários somente dois lances em sequência para o time paranaense abrir boa vantagem no placar.
Aos 20, o ataque do Atlético contou com uma ajuda incrível de Bruno Rodrigo. Ao tentar desviar de cabeça, o zagueiro recuou mal e deu perfeita "assistência" para Pablo dominar bonito e bater para as redes.
Apenas dois minutos depois, Nikão recebeu tranquilo pela direita cruzou rasteiro e André Lima, sem qualquer marcação dentro da área, só teve o trabalho de empurrar para o gol. O que parecia fácil ficou ainda mais sossegado quando o Atlético anotou o terceiro em jogada semelhante, aos 34 minutos. Marcos Guilherme cruzou da direta e o mesmo André Lima cabeceou para o gol.
Sobrou para o presidente Gilvan de Tavares, alvo de xingamentos por parte da torcida nos minutos finais da partida. Os jogadores também não passaram incólumes. Deixaram o gramado sob vaias e demonstrações de insatisfação dos torcedores.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia