Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de julho de 2016. Atualizado às 20h45.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

futebol

11/07/2016 - 20h45min. Alterada em 11/07 às 20h45min

Clubes brasileiros fazem reunião para pedir mais espaço à CBF

Representante de 35 clubes das Séries A e B do Campeonato Brasileiro se reuniram nesta segunda-feira, em São Paulo, para se unirem e pedirem maior espaço durante as assembleias da CBF. Os dirigentes querem maior poder de decisão e de voto, não apenas nas eleições presidenciais, como acontece atualmente, e também cobram mais espaço dentro da entidade máxima do futebol brasileiro. O evento foi comandado pelo presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares.
A ideia inicial da reunião era definir e anunciar o calendário da Primeira Liga. Depois da divulgação da tabela, os representantes dos clubes se reuniram e ficou acertado que na próxima segunda-feira Gilvan levará uma carta ao presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, assinada por todos os clubes. No documento, os clubes pedem mudanças.
"Vamos à CBF na semana que vem para cobrar que a lei seja cumprida. Desde a aprovação da Profut, nós temos direito por lei de ter um assento nas assembleias e não somos convocados. Não é rebeldia ou briga, é apenas um pedido para que a lei seja cumprida", disse Gilvan.
Dos 40 clubes da Série A e B, apenas Vasco, Botafogo, Bragantino Oeste e Vila Nova não enviaram representantes. Alguns clubes mandaram advogados, como os quatro grandes de São Paulo.
Atualmente, os clubes são chamados apenas para a votação da diretoria da CBF, mas não participam de outras decisões importantes, como mudanças no regulamento e formatação do calendário.
Apesar do ato e da repetição da Primeira Liga, torneio que não conta com o aval da CBF, os clubes asseguram que não pensam em organizar qualquer movimento para deixar a CBF ou coisa do gênero. "Apenas queremos ser ouvidos", explica Gilvan.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia