Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Notícia da edição impressa de 01/08/2016. Alterada em 11/07 às 17h29min

Shopping João Pessoa ganha novas lojas com revitalização

Fundado em dezembro de 1970, shopping center amplia seu mix com o objetivo de chegar a 72 operações

Fundado em dezembro de 1970, shopping center amplia seu mix com o objetivo de chegar a 72 operações


JONATHAN HECKLER/JC
Patrícia Comunello
O Shopping João Pessoa, o mais antigo do Rio Grande do Sul e o terceiro a surgir no Brasil, está de cara nova. Mesmo incompleta, a reforma do prédio já alterou radicalmente a fisionomia do centro comercial, com colocação de detalhes em madeira e árvores e pintura cinza. As laterais (voltadas às avenidas João Pessoa e Azenha) terão parte do paredão coberto de plantas, seguindo o novo conceito que quebra o domínio do concreto.
A revitalização externa e interna começou em abril de 2015, revelou-se nas últimas semanas e se completará em fevereiro de 2017. A concepção da reforma foi comandada pelo arquiteto José de Barros Lima, o mesmo que cuidou da expansão do Shopping Iguatemi.
Na quinta-feira (28), foi aberta a loja do Dia, que opera no nível do subsolo. Uma nova entrada foi liberada no mesmo lado.
Nos próximos meses, devem ser confirmados e instalados um novo complexo de cinema (o Cineflix fechou no começo de 2015) e uma grife de fast food. A candidata mais forte é o Burger King. Das 41 operações atuais, a meta é chegar a 72.
As lojas também passarão por reforma, para se adequarem ao novo conceito. A filial da Lojas Renner, uma das âncoras ao lado da Americanas e Dia, já fez uma repaginação completa recentemente.
O investimento na revitalização do João Pessoa, cujo valor não foi revelado, acontece cinco anos após a Real Empreendimentos, dona dos shopping Monet, em Santa Maria e em Pelotas, e do complexo Pátio 24, na avenida Nova York, na Capital, e SVB Participações (do empresário Saul Veras Boff) comprarem o centro comercial da família que foi dona do grupo JH Santos, que foi um dos grandes nomes do varejo do Sul do País na década de 1980.

Mudança é a primeira após 45 anos de fundação

Unidade da rede de supermercados Dia abriu as portas na quinta-feira


JONATHAN HECKLER/JC
O "banho de loja" atrai a atenção de quem mora na vizinhança, que engloba os bairros Santana, Cidade Baixa e Azenha. "Ficou mais bonito, estava sentindo falta de ter mais opções e um mercado do lado de casa", comemora a psicóloga e vizinha do empreendimento Andréa Widomski, que conferiu as operações próprias do Dia e da linha Market da rede.
Segundo a gerente-geral do shopping, Cristiane Carpes Bernardo, o mix do súper tem mais variedade, menos marcas próprias (que costumam ser encaradas como linhas mais populares) e opões em bebidas e outros segmentos do autosserviço. "É a versão mais requintada da rede", definiu a gestora.
Andréa só queria que a filial fosse um pouco maior, mas confessa que é bem mais cômodo ter o supermercado do lado de casa do que ter de caminhar distâncias maiores ou ter de depender de mercadinhos. "Era fundamental mudar. Há muito tempo nada era feito."
É a primeira revitalização em 45 anos de funcionamento. "Estava obsoleto", define a gerente. O centro comercial quer se firmar como um shopping de serviço e conveniência. Para reforçar a atratividade, foi criada uma alameda de serviços no nível da loja do Dia. O local já tem correspondente bancário, chaveiro, lavanderia e loja de consertos de relógios. A gráfica expressa passou do térreo para a alameda. A ideia é encher os espaços ainda vazios com uma petshop, sapataria e tabacaria.
"Uma das coisas que fizemos foi organizar o mix em toda a operação", cita a gerente-geral. A reforma invade espaços internos, com forros ainda expostos e em obras, instalação de equipamentos de proteção a incêndio e reconfiguração de escadas e troca de piso. A atualização das escadas rolantes já tinha sido feita.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia