Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de julho de 2016. Atualizado às 19h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

25/07/2016 - 19h04min. Alterada em 25/07 às 19h04min

Theresa May minimiza preocupações com fronteiras entre as Irlandas após Brexit

A nova primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, procurou minimizar as preocupações relacionadas aos acordos sobre as fronteiras entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda após o Brexit. Durante visita a Belfast, capital da Irlanda do Norte, May assegurou que está comprometida a formular uma solução prática para todos. Apesar disso, ela não entrou em detalhes sobre qual seria esse acordo.
May acrescentou também que o tráfego livre de pessoas entre as duas Irlandas já existia antes mesmo dos dois países entrarem na União Europeia e que uma revisão desse acordo seria necessária com a saída do Reino Unido.
Espera-se que o tema seja debatido amanhã, quando May receberá o primeiro-ministro da República da Irlanda, Enda Kenny, em Londres. A Irlanda do Norte é o único país do Reino Unido que faz fronteira em terra com um país membro da União Europeia.
As fronteiras abertas são responsáveis por ajudar a promover a paz na Irlanda do Norte após o Acordo de Belfast, em 1998, que colocou fim a décadas de conflito sectário. Mais de 3,5 mil pessoas morreram durante os combates entre o Exército Republicano Irlandês (IRA, na sigla em inglês), que desejava que a Irlanda do Norte fizesse parte da República da Irlanda, e grupos favoráveis à permanência no Reino Unido.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia