Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 22 de julho de 2016. Atualizado às 18h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tributos

22/07/2016 - 18h23min. Alterada em 22/07 às 18h23min

Impostômetro da ACSP alcança hoje a marca de R$ 1,1 trilhão no ano

O Impostômetro, que mede o total de taxas, impostos e contribuições pagos pela população brasileira desde o começo do ano, registrou nesta sexta-feira (22), a marca de R$ 1,1 trilhão. O montante, calculado pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP), foi atingido dois dias depois do que no ano passado, quando a mesma marca foi registrada em 20 de julho.
De acordo com a ACSP, o fato de a marca anterior (R$ 1 trilhão) ter sido atingida com seis dias de atraso em relação a 2015 e de a marca de hoje ter sido registrada com apenas dois dias de demora pode sugerir que a recessão econômica esteja perdendo força. Apesar disso, a associação espera que o governo se esforce para organizar o Orçamento, controlar gastos e rever despesas de maneira célere.
"Somente assim será possível reduzir os juros e reativar a economia, o que iria melhorar a arrecadação. Não é aceitável elevar ainda mais a carga tributária brasileira, que é a maior entre os países emergentes. Isso agravaria a recessão e, consequentemente, a receita fiscal", destaca em nota Alencar Burti, presidente da ACSP.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia