Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 19 de julho de 2016. Atualizado às 08h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

fraude

19/07/2016 - 08h27min. Alterada em 19/07 às 08h27min

Polícia Federal deflagra operação que mira empréstimos fraudulentos da Caixa na Bahia

A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (19) a Operação Ali Babá contra grupo que teria aplicados golpes na Caixa Econômica Federal e em outras instituições financeiras no Estado da Bahia. Cerca de 140 Policiais Federais cumprem 25 mandados de prisão - sendo 10 preventivas e 15 temporárias -, 28 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de condução coercitiva nas cidades de Salvador, Feira de Santana, Seabra, Palmeiras, Monte Santo, Presidente Tancredo Neves e Remanso, todas na Bahia.
Até o momento, de acordo com a PF, foram identificadas 19 empresas envolvidas no esquema, mas suspeita-se que esse número seja muito maior. Só no ano de 2013, foram constatados prejuízos superiores a R$ 10 milhões.
Segundo a Federal, o grupo operava desde 2006 e agia por meio de 'empresas inidôneas, em nome de "laranjas", com as quais eram obtidos empréstimos vultosos junto a diversas agências bancárias, de vários bancos'.
"Após recebidos, os créditos jamais eram restituídos. O esquema também contava com pessoas especializadas no fornecimento de documentos falsos, que viabilizavam a constituição das empresas e a obtenção dos empréstimos fraudulentos", aponta a PF.
Todos os envolvidos deverão responder por organização criminosa e estelionato, previstos, respectivamente, nos artigos 2º da Lei 12.850/2013 e 171 do Código Penal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia