Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de julho de 2016. Atualizado às 22h27.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 19/07/2016. Alterada em 18/07 às 21h35min

Microsoft é a marca de B2B mais valiosa do mundo

Valor da companhia cresceu 5%, passando para US$ 121,8 bilhões

Valor da companhia cresceu 5%, passando para US$ 121,8 bilhões


STEPHEN BRASHEAR/GETTY IMAGES/AFP/JC
A Microsoft é a marca mais valiosa do mundo na categoria B2B (negócios entre empresas), de acordo com o ranking BrandZTM 20 marcas globais mais valiosas, elaborado pela WPP e Millward Brown em parceria com o LinkedIn.
Na avaliação das 100 marcas globais mais valiosas, a Microsoft ficou em terceiro lugar. Seu valor cresceu 5% em relação ao ano passado, chegando a US$ 121,8 bilhões, resultado que é atribuído ao seu desempenho sólido relacionado aos serviços na nuvem e sistemas operacionais.
O top 20 das marcas B2B totalizam US$ 682 bilhões. O setor de tecnologia lidera o ranking, com a Microsoft e a IBM puxando a fila. Mas, também estão presentes representantes do setor financeiro, logística e do segmento de óleo e gás.
A diretora do LinkedInGlobal Go-To-Market Research, Christina Jenkins, diz que a importância de se ter uma marca forte se estende além do usuário final. "As empresas B2B estão em uma batalha constante com as empresas de consumo, contratando os melhores talentos. As marcas que são capazes de passar uma imagem positiva e que mostram a capacidade de inovar são as que serão consideradas potenciais empregadoras", analisa. O estudo mostra que a SAP, que está em sexto lugar, melhorou a sua experiência com o cliente ao ofertar melhorias, nas instalações e também na nuvem, oferecendo um serviço que suporta todo o fluxo de trabalho das empresas, em um momento que as concorrentes oferecem um serviço baseado em silos.
A Accenture (7º), que antes era uma empresa de outsourcing, tornou-se uma marca forte em tecnologia digital - incluindo serviços de nuvem, mobile e Analytics. Com isso, ganhou participação de mercado e melhorou sua rede global de distribuição. A Huawei (11º) cresceu 22% após o forte investimento em inovação e novas tecnologias, como redes definidas por software (SDN) e soluções na nuvem. Os esforços bem-sucedidos para aumentar o reconhecimento da marca na Europa incluem a contratação de renomados atores e o jogador de futebol Lionel Messi como embaixadores da marca.
Os negócios B2B têm aumentado o seu sucesso e valor conforme as empresas têm mudado o seu foco e recursos para desenvolver produtos que ajudam a construir sua marca e criar uma boa experiência para o consumidor.
Uma análise do ranking BrandZ mostra que as pessoas percebem as marcas B2B como as melhores e de maior comprometimento do que as B2C (que comercializam direto para os consumidores finais), mas ainda assim são consideradas menos dinâmicas, inovadoras e diferenciadas. São percepções que impactam sobre o valor da marca. "As empresas B2B estão começando a prestar mais atenção às suas marcas. Ao fortalecer as marcas para pensar em melhores formas de posicionamento, conseguem lidar com fatores macroeconômicos que afetam a categoria e as deixam em uma posição melhor para se conectar com o seu alvo", afirma a vice-presidente comercial da Millward Brown Brasil, Silvia Quintanilha.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia