Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 19h37.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

14/07/2016 - 19h37min. Alterada em 14/07 às 19h37min

Petrobras vai paralisar a produção em 16 plataformas por até um ano

A Petrobras vai paralisar a produção em 16 plataformas por até um ano, enquanto negocia a venda das áreas para a iniciativa privada. A paralisação foi autorizada pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP) na última semana. A estatal também solicitou a interrupção da produção em outras nove unidades produtoras, mas ainda precisará apresentar estudos para justificar a medida.
As unidades estão situadas nos Estados da Bahia, Ceará, Rio Grande do Norte, Sergipe e Espírito Santo. Ao todo, as unidades com paralisação solicitada abrangem 24 campos maduros, sendo 11 em terra. Em maio, último dado disponível na ANP, as áreas produziram mais de 55 mil m3 de petróleo por dia. Oito delas não registraram produção.
A maior parte das áreas já integra o plano de desinvestimentos da companhia para campos maduros e terrestres, apresentado em março. Ao todo, foram ofertadas 104 concessões nos Estados, que representam 2% de toda a produção da estatal.
Entre as áreas, estão alguns dos primeiros campos produtores da estatal, como Quererá, na Bacia de Tucano Sul, na Bahia. A área iniciou a produção em 1964. A maior parte das áreas teve iniciada a produção nas décadas de 70 e 80, como Camorim (SE) e Xaréu (CE). Há também produções iniciadas há cerca de dez anos, como Piranema (SE), a área de maior produção.
A autorização para a parada das unidades foi tomada na última segunda-feira, 4, em reunião de diretoria da ANP. De acordo com a decisão, após o prazo autorizado para a interrupção, a empresa deverá retomar a produção. O prazo para apresentação do plano de retomada é maio de 2017.
"Caso não tenha sucesso um possível processo de Cessão de Direitos, no dia útil seguinte ao final da paralisação deverá ser retomada a produção de cada campo, (...) discriminando a curva de produção e as atividades e investimentos que serão implementados nos Campos", diz a ata do encontro.
A ANP também determinou que, se a empresa não conseguir vender as áreas e constatar a "inviabilidade econômica" da produção, deverá antecipar o término dos contratos. Conforme resolução do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) deste ano, as áreas devolvidas ou com os contratos encerrados poderão ser alvo de novos leilões para pequenas empresas.
A Petrobras também obteve autorização para interromper definitivamente uma plataforma, localizada no campo de Ubarana, no Rio Grande do Norte. A estatal tem até o final de agosto para apresentar um programa de desativação da área.
No mesmo prazo, a petroleira deverá apresentar à agência reguladora as razões que a levaram a requisitar a paralisação temporária de outras nove unidades nos campos de Camorim, Dourado, Robalo, Piranema e Guaricema, na Bacia Sergipe-Alagoas. A interrupção, entretanto, depende da avaliação dos estudos apresentados pela empresa. Procurada, a Petrobras ainda não se manifestou sobre a solicitação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia