Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 18h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

14/07/2016 - 18h24min. Alterada em 14/07 às 18h24min

Bolsas de Nova Iorque sobem após decisão do BoE e com balanços positivos de bancos

As bolsas de Nova Iorque fecharam em alta nesta quinta-feira (14), influenciadas por resultados trimestrais positivos divulgados por bancos e pela indicação de que o Banco da Inglaterra (BoE) pode lançar novos estímulos na próxima reunião.
A autoridade monetária britânica manteve a taxa básica de juros em 0,5%, surpreendendo investidores que esperavam um corte após a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia. No entanto, o BoE afirmou também que a maioria dos membros espera um relaxamento monetário em agosto - assegurando investidores que estiveram baseando suas esperanças em novos estímulos, um fator que vem dando suporte às bolsas nas últimas semanas.
Nesse ambiente, "os Estados Unidos ainda são considerados um destino de primeira classe", disse Jeff Kravetz, diretor regional de investimento do U.S. Bank's Private Client Reserve. Se os juros se mantiverem baixo, o mercado deve reagir subindo durante o restante do ano, ele acrescentou.
Alguns investidores, no entanto, estão céticos quanto a um rali baseado em expectativas de mais dinheiro barato por parte de bancos centrais em todo o mundo, ao invés de balanços corporativos melhores.
"Para o melhor ou para pior, a pressão tem sido toda jogada sobre os BCs", disse Mark Freeman, da Westwood Holdings Group.
O setor financeiro teve o melhor desempenho do S&P 500, ajudado por balanços positivos, entre eles o do JPMorgan, que anunciou lucro de US$ 6,2 bilhões (ou US$ 1,55 por ação) no segundo trimestre deste ano, ante US$ 6,29 bilhões (ou US$ 1,54 por ação) registrados no mesmo período de 2015. Analistas consultados pela Thomson Reuters esperavam lucro de US$ 1,43 por ação.
No final, o índice Dow Jones subiu 0,73%, aos 18.506,41 pontos; o S&P 500 avançou 0,53%, aos 2.163,75 pontos, e o Nasdaq ganhou 0,57%, aos 5.034,06 pontos. Como resultado, Dow Jones e S&P 500 registraram novas máximas históricas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia