Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 14h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

14/07/2016 - 14h20min. Alterada em 14/07 às 14h20min

País precisa de logística adequada para diminuir custos, diz Moreira Franco

O secretário-executivo do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), Moreira Franco, afirmou nesta quinta-feira que é necessário construir uma rede de logística que permita a diminuição de custos do País, sinalizando que as próximas concessões de infraestrutura terão esse objetivo em mente. "Nós perdemos a qualidade de produção de projetos, não temos projetos adequados. O Brasil não tem um banco de projetos", disse Moreira, durante evento promovido pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).
Segundo o secretário-executivo, a falta de projetos adequados aparece como empecilho para a elaboração do plano de concessões. "Estamos trabalhando para restabelecer, no orçamento do governo, recursos públicos que sejam destinados à elaboração de projetos."
Moreira ainda afirmou que o governo trabalha com a expectativa de apresentar uma agenda na primeira reunião do Conselho do PPI, em agosto. "Nós temos uma proposta de colocar uma licitação de uma ferrovia e, ao mesmo tempo, na mesma licitação, dois pontos portuários, para que se possa começar a ter filosofia distinta da praticada até agora". No entanto, Moreira não deu detalhes sobre quando o edital dessa e de outras licitações serão lançados.
O secretário-executivo do PPI ainda ressaltou que o governo trabalha para resolver problemas no plano do crédito às concessões de infraestrutura, afirmando que o BNDES não poderá desempenhar o mesmo papel cumprido na última etapa. "Estamos trabalhado para estruturar uma modelagem que seja eficaz e abra um ambiente concorrencial, que traga bancos comerciais e estrangeiros e crie um ambiente de negócios capaz de gerar confiança."
Moreira Franco ainda afirmou que o País precisa dispor de uma Lei de Licitações que seja "compreensível". "Precisamos juntar todas as iniciativas, interpretações dos órgãos de controle, Poder Judiciário, e consolidar tudo numa lei que seja eficaz."
O secretário-executivo ainda se disse aberto a sugestões do empresariado em relação à consolidação de uma Lei das Licitações. "O ambiente, hoje, é muito favorável a isso."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia