Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de julho de 2016. Atualizado às 08h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

14/07/2016 - 08h22min. Alterada em 14/07 às 08h22min

Bolsas asiáticas sobem moderadamente, em clima de cautela antes do BoE

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em leve alta nesta quinta-feira (14), em clima de cautela antes da decisão de política monetária do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês). O mercado em Tóquio, no entanto, teve valorização mais expressiva, ainda impulsionado pela expectativa de que o governo japonês lançará um novo pacote de incentivos fiscais.
O índice Nikkei continua apresentando o melhor desempenho na região, em meio à especulação de que autoridades japonesas voltarão a estimular a economia, após a ampla vitória da coalizão governista do primeiro-ministro Shinzo Abe, na eleição parlamentar do último fim de semana.
Ontem, o secretário-chefe do gabinete japonês, Yoshihide Suga, confirmou que Tóquio planeja introduzir estímulos econômicos "abrangentes e ousados" para derrotar a ameaça da deflação.
Nos negócios de hoje, o Nikkei subiu 0,95% e encerrou o pregão a 16.385,89 pontos, ampliando a valorização acumulada na semana a 8,5%.
Em outras partes da Ásia, os investidores foram mais contidos na compra de ações, à espera do anúncio de política monetária do BoE, na manhã desta quinta. Diante da vitória do chamado "Brexit" no mês passado, quando o Reino Unido decidiu votar por sua saída da União Europeia, as apostas são de que o BC inglês cortará juros ou ampliará seu programa de compra de ativos, numa tentativa de impulsionar a economia britânica.
A reunião do BoE "provavelmente será o fator decisivo de como os mercados reagirão" mais adiante, comentou Tareck Horchani, operador sênior de vendas da Saxo Capital Markets em Cingapura. "O mercado está precificando um corte (na taxa de juros do BoE)."
Na China, as bolsas fecharam perto da estabilidade. O Xangai Composto teve leve baixa de 0,2%, a 3.054,02 pontos, interrompendo uma sequência de três sessões positivas, enquanto o Shenzhen Composto, de menor abrangência, avançou 0,2%, a 2.044,93 pontos. Números da balança comercial chinesa de junho, divulgados ontem, vieram mistos, com as exportações caindo menos que o esperado e as importações recuando bem mais do que o previsto.
Já em Seul, o índice Kospi registrou ligeiro ganho de 0,16%, a 2.008,77 pontos, após o banco central sul-coreano decidir manter sua principal taxa de juros na mínima histórica de 1,25%, enquanto em Taiwan, o Taiex subiu 0,10%, a 8.866,36 pontos, e o filipino PSEi avançou 0,15%, em Manila, a 7.956,14 pontos. Em Hong Kong, o Hang Seng destoou e teve alta mais significativa, de 1,12%, a 21.561,06 pontos, apagando perdas de mais cedo.
Na Oceania, a bolsa australiana avançou pelo sexto pregão consecutivo, impulsionada por ações de grandes bancos. O S&P/ASX 200, que reúne as empresas mais negociadas em Sydney, subiu 0,43%, a 5.411,60 pontos, fechando no maior nível desde 11 de agosto do ano passado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia