Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de julho de 2016. Atualizado às 14h43.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

13/07/2016 - 14h45min. Alterada em 13/07 às 14h45min

Bolsas europeias fecham majoritariamente em queda em dia marcado por cautela

Os principais índices acionários da Europa fecharam majoritariamente em queda na sessão desta quarta-feira (13) em dia marcado por oscilações nos mercados após a preocupação com a situação dos bancos italianos voltar a pesar. Os investidores também ficaram no aguardo da posse da nova primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May e na expectativa de que o Banco da Inglaterra (BoE) anuncie corte de juros em sua reunião de política monetária amanhã.
A incerteza sobre que tipo de medidas o governo italiano cogita tomar para administrar a crise dos bancos renovou os temores do mercado acionário. Com esse cenário, o índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia em leve queda de 0,13%, aos 335,83 pontos.
O índice FTSE Mib, de Milão, foi o mais impactado na sessão de hoje e fechou em queda de 1,15%, aos 16.527,89 pontos. O UniCredit caiu 3,81% e o Intesa Sanpaolo recuou 1,15%. Na contramão, o Monte dei Paschi di Siena avançou 5,39%.
Em Londres, o FTSE 100 caiu 0,15% e encerrou a sessão aos 6.670,40 pontos em meio à cautela dos investidores. Eles aguardam as diretrizes de como Theresa May conduzirá a saída do Reino Unido da União Europeia, que podem ser reveladas hoje mais tarde. Além disso, há uma possibilidade de que o BoE anuncie um afrouxamento monetário amanhã. Nesse clima de moderação, o Barclays recuou 2,32%, enquanto o Royal Bank of Scotland caiu 2,31%.
O DAX, de Frankfurt, caiu 0,33% e fechou o dia aos 9.930,71 pontos, influenciado pelo dado sobre a produção industrial da zona do euro, que recuou 1,2% em maio ante abril, acima da previsão. Na Alemanha também houve leilão de títulos da dívida de 10 anos com juros negativos pela primeira vez, a -0,05%. O volume de negócios foi fraco, com o Deutsche Bank e o Commerzbank - os mais negociados - recuando 1,68% e 1,73%, respectivamente.
O CAC 40, de Paris, foi o único que fechou no campo positivo, ainda que por pouco. O índice encerrou o dia aos 4.335,26 pontos, em alta de 0,09%. A siderúrgica Vallourec, uma das empresas com maior volume de negócios no CAC 40 hoje, fechou em alta de 0,66%. Por outro lado, o Credit Agricole recuou 1,55%.
Em Madri, o Ibex 35 caiu 0,38% e encerrou a sessão aos 8.473,90 pontos, com as ações dos bancos apresentando comportamento misto. O Santander e o Bankia, por exemplo, fecharam em queda de 2,03% e 0,75%, respectivamente, mas o Banco de Sabadell e o Banco Popular Español avançaram 2,90% e 1,52%.
O PSI 20, de Lisboa, recuou 0,78% e fechou aos 4.554,94 pontos. Entre as perdas, destaque para o Banco Comercial Português, que apresentou queda de 8,80%.13.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia