Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 12 de julho de 2016. Atualizado às 10h19.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

12/07/2016 - 10h19min. Alterada em 12/07 às 10h19min

Taxas futuras de juros recuam, em linha com dólar e tom positivo no exterior

Os juros futuros recuam na manhã desta terça-feira (12) alinhados à queda do dólar ante o real e refletindo o tom positivo visto nas praças financeiras internacionais diante da expectativa de estímulos monetários vindos do Banco do Japão (BoJ) e em meio à forte alta do petróleo. O desempenho das vendas no varejo em maio ajudam a pressionar os juros futuros, mas em segundo plano, de acordo com um operador de renda fixa.
Às 9h27min, o DI para janeiro de 2018 estava em 12,66%, de 12,69% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2021 exibia 11,94%, de 11,99% no ajuste anterior.
As vendas do comércio varejista caíram 1,0% em maio ante abril, na série com ajuste sazonal, abaixo do piso das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que iam de -0,50% a +1,00%, com mediana positiva de 0,40%.
Na comparação com maio de 2015, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram baixa de 9,0% em maio de 2016. Nesse confronto, as projeções iam de declínio de 4,95% a 8,00%, com mediana negativa de 6,30%. As vendas do varejo restrito acumulam retração de 7,3% no ano e recuo de 6,5% em 12 meses.
Quanto ao varejo ampliado, que inclui as atividades de material de construção e de veículos, as vendas caíram 0,4% em maio ante abril, na série com ajuste sazonal. O resultado veio abaixo do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam crescimento de 0,10% a 2,70%, com mediana positiva de 1,20%.
Na comparação com maio de 2015, sem ajuste, as vendas do varejo ampliado tiveram baixa de 10,2% em maio de 2016. Nesse confronto, as projeções variavam de retração de 8,70% a 5,90%, com mediana negativa de 7,60%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia