Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 11 de julho de 2016. Atualizado às 16h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

11/07/2016 - 16h29min. Alterada em 11/07 às 16h29min

Bolsas europeias sobem com dado de emprego dos EUA e cenário político britânico

Os principais índices acionários da Europa iniciaram a semana em alta, impulsionados por bons dados da economia dos Estados Unidos e pela escolha da sucessora do primeiro-ministro do Reino Unido David Cameron. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou nesta segunda-feira (11) em alta de 1,64%, aos 332,72 pontos.
Com os índices em alta desde o começo do pregão, na esteira do relatório de emprego (payroll) dos Estados Unidos, divulgado na sexta-feira, o bom humor foi intensificado após a secretária de Estado de Energia, Andrea Leadsom, anunciar que vai deixar a disputa pela liderança do Partido Conservador. Leadsom abriu caminho para a ministra do interior, Theresa May, assumir o cargo de premiê do Reino Unido. O anúncio oficial foi feito após o fechamento dos mercados.
Em Londres, o FTSE 100 fechou em alta de 1,40%, aos 6.682,86, o maior nível desde agosto do ano passado. O bom humor do mercado impulsionou todos os setores, com destaque para as mineradoras e construtoras. A Barratt Developments subiu 7,72%, enquanto a Glencore avançou 6,28%.
Em Paris, todas as companhias listadas no CAC 40 fecharam no campo positivo, com o índice avançando 1,76% e fechando aos 4.264,53 pontos. A ArcelorMittal liderou os ganhos, subindo 5,59%. A empresa de materiais de construção LafargeHolcim avançou 3,87% após anunciar a venda de sua participação na Lafarge India.
O DAX, de Frankfurt, subiu 2,12% e fechou aos 9.833,41 pontos. O destaque principal vai para a Thyssenkrupp, que avançou 6,44% após boatos de um acordo com a Tata Steel. A Lufthansa e a Volkswagen também tiveram alta, com 2,49% e 2,91%, respectivamente.
Em Milão, o índice FTSE Mib encerrou o pregão aos 16.260,64 pontos, em alta de 1,21%, puxado pelos bancos italianos. Há a expectativa de que o governo da Itália dará algum tipo de ajuda ao setor, que foi duramente atingido nas últimas semanas. O Monte dei Paschi Siena, considerado o mais fraco dos bancos italianos pelos investidores, subiu 6,94%, enquanto o Banco Popolare avançou 3,51%.
O índice Ibex 35, de Madri, subiu 1,46% e fechou aos 8.305,10 pontos. Entre as empresas com ações mais negociadas, o Banco Santander avançou 1,31%, enquanto a Abengoa subiu 3,79%.
Em Portugal, o PSI 20, de Lisboa, fechou aos 4.552,46 pontos e avançou 2,17%. O Banco Comercial Português foi o que apresentou a maior variação porcentual, subindo 6,09%. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia