Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 08 de julho de 2016. Atualizado às 14h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Empresas

07/07/2016 - 19h11min. Alterada em 08/07 às 14h34min

Empresas em recuperação judicial têm R$ 14,77 bi em dívidas, diz Serasa Experian

As empresas brasileiras que estão em processo de recuperação judicial devem um total de R$ 14,77 bilhões, mostra estudo inédito feito pela Serasa Experian divulgado nesta quinta-feira (7). O levantamento somou as dívidas de 3.774 empresas, o que dá uma média R$ 3,9 milhões para cada uma. O número de compromissos vencidos e não pagos chega a 736.712. Na média, são R$ 20 mil para cada.
Se consideradas apenas as dívidas que estão sendo cobradas na Justiça, que representam apenas 0,3% do total, o valor médio sobe para R$ 431 mil. As informações foram colhidas com base em empresas inadimplentes e dados de empresas em recuperação judicial, oriundas dos fóruns, varas de falências e dos Diários Oficiais e da Justiça dos Estados.
De acordo com o Indicador Serasa Experian de Falências e Recuperações, divulgado nesta quarta-feira, 6, o número de recuperações judiciais requeridas no primeiro semestre de 2016 foi 87,6% superior ao registrado no mesmo período do ano passado. Foram 923 ocorrências em 2016 contra 492 apuradas entre janeiro e junho de 2015. O resultado é o maior para o período desde 2006, após a entrada em vigor da Nova Lei de Falências, em junho de 2005.
"O atual quadro recessivo, que já vem se arrastando por dois anos, e as dificuldades na obtenção de crédito, têm prejudicado a solvência financeira das empresas, levando os pedidos de recuperação judicial a recordes históricos recorrentes", avaliam os economistas da Serasa Experian, em nota.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia