Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de julho de 2016. Atualizado às 20h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

06/07/2016 - 20h48min. Alterada em 06/07 às 20h48min

BM&FBovespa atinge fatia acionária de 9,99% na Bolsa de Valores da Colômbia

A BM&FBovespa informou que atingiu participação acionária de 9,99% da Bolsa de Valores de Colombia (BVC), por meio de operações realizadas em bolsa de valores, com um investimento de 39,8 bilhões de pesos colombianos, o equivalente a cerca de R$ 44 milhões.
A BM&FBovespa diz em comunicado que a BVC administra plataformas para negociação nos mercados de renda variável, derivativos listados e de renda fixa pública e privada. Além disso, por meio de suas afiliadas, atua nos demais elos da cadeia, como distribuição de dados de mercado, mercados balcão e de câmbio, câmara de compensação e liquidação, central depositária de valores, entre outros.
A bolsa de valores brasileira disse ainda que vai continuar a avaliar oportunidades de investimentos em empresas na região, que tenham atividades adjacentes ao seu negócio.
No início de abril, a bolsa anunciou a aquisição de 4,1% da bolsa do México. No Chile, a bolsa possui uma participação de 8% do capital, mas tem ainda a meta de chegar em 10%. A intenção da companhia é ter fatia minoritária em cinco bolsas da América Latina até o limite permitido pela regulação local, que varia entre 5% e 15%.
Além de Chile, México e agora Colômbia, faz parte dos planos a aquisição de fatias das bolsas no Peru e na Argentina. Em maio, a BM&FBovespa teve um encontro com governo, órgãos reguladores e bolsa da Argentina, "Saímos de lá (da Argentina) com a encomenda para desenvolver o contrato futuro de peso x real", contou à época Edemir Pinto, presidente da BM&FBovespa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia