Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de julho de 2016. Atualizado às 23h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tecnologia

Notícia da edição impressa de 07/07/2016. Alterada em 06/07 às 22h38min

Recursos para pesquisas no Tecnopuc atingem R$ 35 milhões

Parque é um motor para o desenvolvimento do Estado, afirmou Clotet

Parque é um motor para o desenvolvimento do Estado, afirmou Clotet


FREDY VIEIRA/JC
Adriana Lampert
Os recursos financeiros captados em projetos de pesquisa de empresas que atuam no Parque Científico e Tecnológico da Pontifícia Universidade Católica (Tecnopuc) chegaram ao patamar de R$ 35 milhões em 2015. Neste mesmo período, somente as 22 startups instaladas no parque faturaram juntas R$ 3,6 milhões. E ainda que os instrumentos de apoio financeiro do poder público venham a enxugar em 2016, com a crise econômica, o investimento em pesquisa deve continuar ocorrendo, estimou ontem o Reitor da Pucrs, Joaquim Clotet, durante palestra no Tá na Mesa desta quarta-feira, ocorrida na Federasul. "O Tecnopuc é um motor para o desenvolvimento do Estado", disse o gestor, ao destacar a importância do parque para a inovação e o empreendedorismo no País.
Clotet afirma que, apesar da crise, há "certa estabilidade" no faturamento das empresas instaladas no parque, e pondera que é sempre "uma luta" levar adiante projetos de pesquisa realizados na universidade, "devido a diversas exigências do governo e da sociedade que dificultam os processos". O gestor da Pucrs lembrou ainda que o Tecnopuc "é pequeno", considerando a necessidade de se fomentar o surgimento de empresas inovadoras e de ponta para o Rio Grande do Sul. Atualmente, 120 companhias atuam vinculadas ao parque - incluindo startups e empresas nacionais e internacionais de diversos portes - em Porto Alegre e Viamão. Este universo emprega 6,5 mil pessoas, sendo que 2,5 mil são contratados pela universidade. Ali, atuam dezenas de grandes marcas, como Microsoft, Samsung, Sinergy, e Petrobras. "Recentemente, a maior empresa de telecomunicação da China, Huawey, se instalou no parque com foco em pesquisa e desenvolvimento", informa Clotet. "E do total de empresas no parque, 66 saíram da incubadora e se mantiveram ativas."
O reitor sublinhou ser fundamental o papel das esferas de governo para se estabelecer as diretrizes estratégicas para o País na área de desenvolvimento científico e tecnológico. Neste sentido, lembrou que o Tecnopuc vem participando "de forma engajada e ativa" nas iniciativas do poder público, em especial da Capital do Estado, a exemplo do Projeto Porto Alegre Tecnópole.
Ao destacar a presença do parque no 4º Distrito, Clotet ponderou que "apesar desta ser uma área importante, ainda se tem muito que aprender com países mais desenvolvidos, a exemplo da Inglaterra". "Em Londres, as pequenas empresas recebem ajuda financeira da prefeitura, o que facilita seu desenvolvimento. Nossos jovens empresários também precisam de incentivos, a exemplo de apoio tributário do poder local."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia