Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de julho de 2016. Atualizado às 13h47.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

05/07/2016 - 13h47min. Alterada em 05/07 às 13h47min

Bradesco revisa de 4,7% para 0,3% crescimento do crédito total em 2016

O Bradesco revisou de 4,7% para 0,3% o crescimento previsto para o crédito total este ano. Segundo o banco, desde o começo do ano tem sido observada uma intensificação da desaceleração do mercado de crédito, espraiada por quase todas as linhas, mas especialmente no capital de giros e investimentos.
"O enfraquecimento das carteiras de pessoa jurídica é reflexo da recessão econômica verificada nos últimos trimestres. O fraco desempenho da atividade levou à queda da demanda por projetos e da necessidade de financiamento, levando à contração da demanda por crédito", diz o Bradesco.
No caso das famílias, o Bradesco explica que o processo de desalavancagem iniciado em 2012, a piora da confiança e do mercado de trabalho têm levado a uma menor demanda por crédito, em especial daquele relacionado ao consumo de duráveis. O banco aponta que, enquanto o estoque de crédito destinado à aquisição de veículos caiu 14% em maio em relação ao mesmo mês do ano anterior, a carteira de consignado total subiu 7%. Isso representa uma desaceleração frente à expansão de 17% registrada em 2013, mas ainda assim um desempenho bastante forte para essa carteira, que hoje representa 35% dos créditos livres à pessoa física e tem ganhado participação nos últimos anos.
O banco acredita, no entanto, que as concessões de crédito vão acelerar no segundo semestre deste ano, aliadas à retomada da atividade, "cujos primeiros sinais já se fazem notar". Para 2017, a estimativa é que o crédito total tenha expansão de 6,9%.
No âmbito da inadimplência, a projeção para pessoa física este ano foi mantida em 6,5%, enquanto para pessoa jurídica foi revisada de 4,7% para 5,1%. Para 2017, em PF a projeção é de 5,8%, enquanto em PJ é 4,5%. "A despeito da expressiva piora do mercado de trabalho, a taxa de inadimplência acima de 90 da carteira de pessoa física com recursos livres tem apresentado desempenho bastante positivo desde o começo do ano", aponta o Bradesco.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia