Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de julho de 2016. Atualizado às 11h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

05/07/2016 - 11h14min. Alterada em 05/07 às 11h14min

Bovespa cai contaminada por exterior

A aversão a ativos de risco nos mercados acionários internacionais impôs perdas à Bovespa na manhã desta terça-feira (5), interrompendo uma sequência de cinco pregões de ganhos, período em que a bolsa doméstica acumulou valorização de 6,75%.
Às 10h35min desta terça-feira, o Ibovespa recuava 0,83%, aos 52.131,22 pontos, pouco depois da volta das bolsas de Nova Iorque, que estiveram fechadas ontem em virtude do feriado de Independência dos Estados Unidos. Por lá, o Dow Jones caía 0,46%, o S&P 500 operava em baixa de 0,54% e o Nasdaq perdia 0,71%.
Os mercados seguem avaliando as implicações da decisão do Reino Unido de sair da União Europeia na economia global e digerem medidas de relaxamento monetário anunciadas pelo Banco da Inglaterra (BoE) mais cedo, que tiveram impacto limitado nos mercados.
A instituição decidiu afrouxar as condições monetárias para liberar crédito à economia, aumentando a capacidade de oferta em 150 bilhões de libras. A redução do chamado colchão líquido contracíclico, de 0,5% para zero, reverteu uma decisão de aumentá-lo em março. Segundo o BoE, o colchão, que é uma camada extra de liquidez que costuma ser diminuída em momentos de incerteza, ficará zerado até pelo menos junho de 2017.
De acordo com analistas de mercado, pesou negativamente o fato de que o BoE não permitirá o aumento de pagamentos de dividendos para acionistas de bancos. Além disso, na avaliação do mercado, a medida pode não ter o efeito esperado uma vez que os empréstimos tendem a ficar estáveis se a confiança do consumidor não melhorar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia