Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de julho de 2016. Atualizado às 11h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

05/07/2016 - 11h06min.

PMI de serviços do Brasil segue em contração, informa Markit

O índice de atividade dos gerentes de compra (PMI, na sigla em inglês) do setor de Serviços no Brasil subiu para 41,4 em junho, de 37,3 em maio, informou terça-feira (5), a Markit. Com isso, o índice composto, que leva em conta também o PMI industrial, avançou para 42,3, de 38,3. Resultados acima de 50 pontos indicam expansão da atividade, enquanto leituras abaixo desse valor mostram queda. O setor de serviços está em contração há 16 meses seguidos.

Segundo a Markit, a produção, as novas encomendas e o nível de emprego no setor de serviços caíram firme em junho. Os aumentos nos preços de energia, combustíveis e alimentos levaram a nova elevação na inflação ao produtor, mas a fraca demanda fez com que os preços ao consumidor fossem reduzidos pelo terceiro mês seguido. "Os gerentes ouvidos relataram relutância entre os clientes em assumir novos projetos, dada a crise econômica no Brasil", diz o relatório.

O nível de serviços pendentes caiu novamente em junho, assim como o nível de emprego. Mesmo assim, os gerentes do setor continuam otimistas de que a situação vai melhorar nos próximos 12 meses.

"Junto com os dados do PMI industrial, os resultados divulgados hoje (5) aumentam os receios de que a economia brasileira vai permanecer em contração à medida que começa o segundo semestre de 2016. Uma recuperação iminente parece improvável. As novas encomendas caíram fortemente e as empresas estão se preparando para tempos difíceis, cortando empregos em níveis recordes nos últimos meses", afirma no relatório a economista da Markit Pollyanna de Lima.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia