Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de julho de 2016. Atualizado às 17h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

04/07/2016 - 17h28min. Alterada em 04/07 às 17h28min

Petróleo fecha em queda, em dia de baixo volume de negócios

O baixo volume de negociações em dia de feriado nos Estados Unidos deixou os preços do petróleo voláteis na sessão desta segunda-feira. O óleo, que pela manhã registrava ganhos, encerrou os negócios em queda.
Os investidores acompanham as perspectivas para o mercado da commodity, que se mostraram mais positivas nos últimos dias, mas as incertezas geradas pela decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia pesam sobre as avaliações.
Analistas destacam comentários de membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), da Arábia Saudita, e dos Estados Unidos, sinalizando maior equilíbrio entre oferta e demanda nos próximos meses.
Na London Metal Exchange (LME), o Brent para setembro fechou em queda de 0,49%, a US$ 50,10 por barril. No pregão eletrônico da New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para agosto era cotado a US$ 48,76 por barril, em baixa de 0,47%.
Outro fator que pode voltar a influenciar as negociações de petróleo é o conflito na Nigéria. Hoje, a petrolífera estatal NNPC informou que militantes atacaram seus oleodutos no fim de semana, menos de duas semanas após o governo do país anunciar que negociou um cessar-fogo de 30 dias para interromper as agressões.
O grupo de militantes conhecido como Vingadores do Delta do Níger, que exige melhor distribuição das receitas com petróleo, disse em sua conta no Twitter que lançou cinco ataques no fim de semana, três a oleodutos da NNPC e dois a poços explorados pela norte-americana Chevron.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia