Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 17 de julho de 2016. Atualizado às 22h24.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Roberto Brenol Andrade

Palavra do Leitor

Notícia da edição impressa de 18/07/2016. Alterada em 17/07 às 17h19min

Política honesta

Quem vê nossos políticos de hoje, preocupados somente com seus interesses, fica até surpreso quando alguém mais velho fala dos políticos que no passado tivemos. Enquanto os políticos de hoje só querem ganhar dinheiro e manterem-se no poder, no passado, homens como Otávio Rocha, Augusto Pestana, Demétrio Ribeiro, Pinheiro Machado, Flores da Cunha, Raul Pilla, Alberto Pasqualini, Leonel Brizola, José Montaury, Júlio de Castilhos, Carlos Barbosa, Borges de Medeiros e outros tantos não fizeram fortuna com a política, pelo contrário, alguns até perderam dinheiro, deixando como herança seus nomes e feitos, demonstrando que uma política séria e honesta pode sim ser feita, e para isso basta que os políticos de hoje queiram fazê-la, para que tenham no futuro também seus nomes e feitos lembrados com orgulho e respeito. "A sã política é filha da moral e da razão" - José Bonifácio. (Èrik Ultrecht, administrador de empresas)
GeraçãoE
Sobre o especial Como conseguir dinheiro para criar ou expandir o seu negócio (GeraçãoE, Jornal do Comércio, 14/07/2016), todas as dicas que fujam dos bancos são excelentes para alavancar um negócio. Os bancos, além de terem juros exorbitantes, não proporcionam muito ao empreendedor, e ainda o deixam mais endividado. (Helena Sucupira)
Danilo Ucha
Parabéns ao colunista Danilo Ucha por abordar as exportações de produtos primários, assunto da maior importância e que deveria ser debatido em profundidade (Jornal do Comércio, 12/07/2016). A isenção de impostos nas exportações de produtos primários ajudou em muito a crise financeira do Estado. Passamos a "exportar" empregos para a indústria dos países importadores. A nossa foi para o "brejo". Os ricos consumidores dos países centrais não pagam nada dos nossos impostos na importação de produtos agrícolas. E, ao contrário, os pobres consumidores aqui do Brasil pagam os impostos "embutidos" nos produtos industrializados importados. Ou seja, os agricultores-consumidores daqui ajudam a pagar as aposentadorias de lá, mas não recebem uma só ajuda para suas aposentadorias. O incentivo à agricultura deve vir do lado das despesas públicas: infraestrutura de transportes e comunicações, segurança no campo, saúde etc. Dali deve sair a competitividade. Aliás, grande ironia, ao importarmos produtos industrializados, pagamos também parte dos subsídios pagos pelos governos estrangeiros. (Antonio Augusto d'Avila)
Chuvas e esgotos
A rede pluvial de Porto Alegre poderia ser limpa mais seguidamente. Mas temos porto-alegrenses que sujam, e, alguns, quando varrem as calçadas, jogam os detritos nas sarjetas. Aí, o entulho vai parar nas bocas de lobo. E as folhas também entopem os bueiros. (Carlos Gusmão)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia