Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de julho de 2016. Atualizado às 22h43.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Marco A. Birnfeld

Espaço Vital

Notícia da edição impressa de 08/07/2016. Alterada em 07/07 às 22h01min

O tempo é o senhor da razão

Foi em março de 1992. Lembram daquela frase que, numa das caminhadas dominicais durante seu fugaz delírio de poder, Fernando Collor ostentou numa camiseta? Mais tarde soube-se que o então presidente não era o autor do pensamento; este fora extraído da literatura de Portugal. Pois esta semana, a frase "O tempo é o senhor da razão" voltou à baila em redes sociais, num debate entre advogados gaúchos.
Eles estão queixosos contra as gincanas processuais a que são submetidos e aos baixos honorários (menos de um salário-mínimo) que seguem sendo fixados por juízes que teimam em não aplicar o artigo 85 do novo CPC, que estabeleceu soluções para velhas turras. As narrativas são compartilhadas e debatidas com sensatos desembargadores jubilados e servidores aposentados. Numa das postagens, ativo advogado relatou que "ando brigando com as decisões 'estagioprolatadas', enquanto relembro dos tempos de Oscar Gomes Nunes, Adroaldo Fabrício e tantos outros que de fato 'entravam' nos processos. Agora as coisas são mais ligeiras e, por isso, mais superficiais. E ainda temos que fazer curso para o processo eletrônico!"...
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia