Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 25 de junho de 2016. Atualizado às 23h07.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

24/06/2016 - 17h09min. Alterada em 24/06 às 17h11min

Teori envia denúncia de Lula à Justiça do Distrito Federal

 Luiz Inacio Lula da Silva em entrevista coletiva à imprensa estrangeira foto NELSON ALMEIDA AFP foto

Luiz Inacio Lula da Silva em entrevista coletiva à imprensa estrangeira foto NELSON ALMEIDA AFP foto


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
Agência O Globo
O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), transferiu para a Justiça Federal em Brasília o inquérito em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi denunciado por tentativa de atrapalhar as investigações da Lava-Jato. Ele teria participado de uma tentativa de silenciar o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, quando o executivo estava prestes a firmar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal.
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, queria que as investigações fossem transferidas para a 13ª Vara Federal em Curitiba, onde o juiz Sérgio Moro conduz os processos da Lava-Jato. Mas Teori ponderou que o caso não tem relação direta com os desvios da Petrobras. O ministro também explicou que os supostos crimes teriam ocorrido na capital federal, daí a remessa dos autos para a Justiça Federal de Brasília.
"Tais fatos não possuem relação de pertinência imediata com as demais investigações relacionadas às fraudes no âmbito da Petrobras. Na verdade, dizem respeito à suposta prática de atos, pelos investigados, coma finalidade de impedir a aviltar colaboração premiada entre Nestor Cerveró e o Ministério Público, a qual se voltava a um plexo de investigações", escreveu o ministro.
São alvo do mesmo inquérito o ex-senador Delcídio Amaral (sem partido-MS), o ex-assessor dele Diogo Ferreira, o advogado Edson Ribeiro, o banqueiro André Esteves, o pecuarista José Carlos Bumlai, o filho dele, Maurício Bumlai. O grupo é acusado de ter cometido quatro crimes: integrar organização criminosa, patrocínio infiel, exploração de prestígio e lavagem de dinheiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Raul Garcia Junior 24/06/2016 18h55min
O assunto deveria ficar com o Dr Sergio Moro ,da Lava Jato, pois entendo que apenas faz parte de uma coisa só , o crime de assalto aos cofres da Petrobras,e quem teve o mérito das descobertas; deveria ficar com os finais do processo.Acho que o povo brasileiro agradeceria muito ver seus heróis valorizados !
malaquias 24/06/2016 18h48min
"Um supremo acovardado". parece que o Sr.Ministro não se sentiu atingido ou fez ouvidos e olhos de mercador.Absurda essa decisão que livra o chefe da facção das mãos de Moro.Como separar Cerveró da Petrobras? Como separar Lula de Cerveró? Somente uma justiça cega e acovardada pode imaginar tal absurdo.Sr.Ministro, cada ato de Vsa. tem o peso de uma tonelada, na balança desse jogo político.Não adianta adiar o que não tem mais volta. Salve Moro!!!Salve Janot!!!
Cesar 24/06/2016 18h44min
Quem não sabe que esse ministrozinho está aí para isto, limpar a sujeira deixada pelos bandidos do PT.