Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de junho de 2016. Atualizado às 11h13.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação custo brasil

24/06/2016 - 11h13min. Alterada em 24/06 às 11h13min

Presos na Operação Custo Brasil prestam depoimento à Justiça em São Paulo

Agência Brasil
Após passar a noite na carceragem da Polícia Federal (PF) na capital paulista, o ex-ministro Paulo Bernardo e mais setes presos na Operação Custo Brasil, deflagrada ontem, foram levados nesta sexta-feira (24) para prestar depoimento à Justiça Federal. Eles deixaram a sede da Superintendência da PF na Lapa, às 8h30min, em três viaturas da polícia.
A assessoria de imprensa da PF informou que os acusados prestam depoimento em audiência de custódia na 6ª Vara Criminal Federal em São Paulo. Depois, retornam para a carceragem da PF, onde começam a ser ouvidos ainda hoje.
Paulo Bernardo e mais cinco presos chegaram no início da noite de ontem (23) à capital paulista, em dois aviões, desembarcando no aeroporto de Guarulhos. O secretário municipal de Gestão de São Paulo, Valter Correia da Silva, já estava no prédio da PF. Todos passaram a noite em celas na carceragem.
Paulo Bernardo é investigado em um esquema de pagamento de propina, estimado em mais de R$ 100 milhões, a diversos funcionários públicos e agentes políticos na época em que era ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, entre os anos de 2010 e 2015.
A 6ª Vara Criminal Federal em São Paulo havia determinado a prisão de 11 acusados de envolvimento no esquema de fraudes no contrato para gestão de empréstimos consignados no Ministério do Planejamento. Um deles, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, já estava preso em Curitiba, e dois, que não tiveram os nomes divulgados, não foram encontrados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia