Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de junho de 2016. Atualizado às 00h21.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Notícia da edição impressa de 24/06/2016. Alterada em 23/06 às 21h03min

Governo anterior jamais apoiou ação, diz ministro

Moraes visitou as instalações 
da força-tarefa de Curitiba

Moraes visitou as instalações da força-tarefa de Curitiba


ANTÔNIO CRUZ/ABR/JC
O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, afirmou, nesta quinta-feira, que o governo da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) "jamais apoiou institucionalmente a Operação Lava Jato", que investiga um esquema de corrupção envolvendo desvios da Petrobras. A Lava Jato teve início em 2014, durante a gestão da presidente Dilma, e levou à prisão dirigentes do PT, como o ex-tesoureiro João Vaccari Neto. Petistas criticavam o então ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo (PT), por não controlar a Polícia Federal na Lava Jato.
Moraes deu as declarações ao comentar uma possível influência entre sua visita à força-tarefa de Curitiba e a operação desta quinta, que prendeu o ex-ministro petista Paulo Bernardo - a operação não foi deflagrada por Curitiba, mas por São Paulo. "Não há nenhuma relação da minha visita institucional, de apoio à Lava Jato, provavelmente seja isso que tenha deixado desconfortável essas pessoas, é que o governo anterior jamais apoiou institucionalmente a Lava Jato, porque o governo anterior jamais apoiou o combate à corrupção", disse.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia