Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de junho de 2016. Atualizado às 18h14.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Custo Brasil

23/06/2016 - 17h30min. Alterada em 23/06 às 18h14min

Advogado gaúcho é preso acusado de envolvimento em propina com contratos do governo

O advogado foi levado para São Paulo, após ser preso em sua casa em Porto Alegre

O advogado foi levado para São Paulo, após ser preso em sua casa em Porto Alegre


MARCO QUINTANA/JC
A Operação Custo Brasil fez uma das prisões nesta quinta-feira (23) do advogado Daisson Silva Portanova, que estava em sua residência na Rua Toropi, bairro Petrópolis, em Porto Alegre. Policiais da Superintendência da Polícia Federal (PF) gaúcha executaram o mandado e busca e apreensão de materiais por volta das 7h. Após o meio-dia, o advogado chegou ao Aeroporto Internacional Salgado Filho, onde embarcou em um voo para São Paulo. 
A investigação, que é desmembramento da 18ª Operação Lava Jato batizada de Pixuleco II, está sendo coordenada pela PF paulista. A apuração apontou o pagamento de propina oriunda de contratos de prestação de serviços de informática que pode ter alcançado R$ 100 milhões entre 2010 e 2015 e envolve ainda outros ex-integrantes do Governo Lula e Dilma Rousseff. O ex-ministro Paulo Bernardo foi preso em Brasília. Paulo Ferreira, gaúcho e ex-tesoureiro e deputado federal do PT, teve pedido de prisão, e o ex-ministro da Aviação Civil e da Previdência Social Carlos Eduardo Gabas foi levado em condução coercitiva.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia