Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de junho de 2016. Atualizado às 20h37.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

justiça

19/06/2016 - 19h11min. Alterada em 19/06 às 20h37min

Eliseu Padilha nega bloqueio de bens e afirma que ação de improbidade se baseia em erro

Reforma da Previdência ainda precisa ser 'costurada', disse Padilha

Reforma da Previdência ainda precisa ser 'costurada', disse Padilha


EVARISTO SA/AFP/JC
O ministro da casa Civil, Eliseu Padilha, rebateu as informações de que teria seus bens bloqueados a pedido do Ministério Público Federal. "Ação de Improbidade contra mim ainda não foi recebida pela Justiça. Não houve nem há qualquer indisponibilidade de bens", afirmou, em sua conta no Twitter. "A Ação de Improbidade não deve prosperar, pois foi fundada em documento nulo e o praticado por mim é legal", afirmou.
Reportagem da revista Veja diz que o MPF pediu o bloqueio dos bens e a devolução de R$ 300 mil aos cofres públicos e que o peemedebista é alvo de uma ação de improbidade administrativa na Justiça Federal por supostamente ter mantido uma funcionária fantasma em seu gabinete quando deputado federal. Segundo a publicação, a descoberta aconteceu em 2008, quando a Polícia Federal investigava uma quadrilha que fraudava licitações públicas de obras municipais, estaduais e federais.
Segundo Padilha, o inquérito sobre o caso já foi anulado pelo Superior Tribunal Federal (STF). "Existe na Justiça Federal Ação de Improbidade contra mim, com base nos documentos anulados pelo STF", disse, ressaltando acreditar que ela não será recebida. "A Ação de improbidade baseia-se em erro de que teria funcionária fantasma. O fiz conforme o Ato da Mesa 72/1997 que permite o que a maioria dos deputado faz: manter funcionários no Estado de origem", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia