Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de junho de 2016. Atualizado às 23h57.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

novo governo

Alterada em 14/06 às 23h57min

Com dificuldades em fechar texto da PEC, Temer desiste de ir ao Congresso

A ideia do presidente em exercício, Michel Temer, de transformar a entrega da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que limita o crescimento dos gastos do governo em um ato simbólico de sua gestão - tanto de afago aos parlamentares como ao mercado pela demonstração de ímpeto na austeridade - já foi abandonada.
Interlocutores de Temer confirmaram que ele não vai mais nesta quarta-feira (15) pessoalmente no Congresso e que durante a reunião agendada com líderes da base, às 10 horas, pretende fazer a apresentação do texto. As dificuldades em torno da PEC dos gastos estão, principalmente, em encontrar um texto que seja viável do ponto de vista econômico, mas que também contemple o lado político. Temer tem usado a equipe econômica comandada por Henrique Meirelles como sua principal fiadora.
Do lado político, o presidente em exercício sabe que tem que costurar acordos. O presidente do Senado, Renan Calheiros, que esteve no Planalto mais cedo para conversar com Temer, por exemplo, declarou ser publicamente contra a apreciação da PEC agora. "Medidas que poderão aprofundar o ajuste neste momento não são recomendáveis, porque estamos vivendo uma transitoriedade e talvez seja o caso de aguardarmos o julgamento final (do impeachment de Dilma Rousseff)", disse.
Muitas das propostas apresentadas pela equipe econômica - como o fim do abono salarial e o uso do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para financiar despesas da Previdência dos trabalhadores da iniciativa privada e dos servidores públicos - já foram excluídas, mas o governo ainda trabalha em cima do texto para ter uma versão final amanhã cedo que convença os parlamentares a serem receptivos ao apelo do governo em exercício.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia