Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de junho de 2016. Atualizado às 19h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

14/06/2016 - 19h43min. Alterada em 14/06 às 19h43min

Renan diz que teto deveria ser votado depois do julgamento do impeachment

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), jogou um balde de água fria nas intenções do governo de aprovar uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que estabelece um teto para os gastos públicos. A medida foi anunciada como prioridade pela equipe econômica do presidente em exercício, Michel Temer.
"Acho que medidas substanciais deveriam ser guardadas para depois da transitoriedade do governo. Medidas que poderão aprofundar o ajuste neste momento não são recomendáveis, porque estamos vivendo uma transitoriedade e talvez seja o caso de aguardarmos o julgamento final (do impeachment de Dilma)", disse Renan.
Foi a primeira vez que o presidente do Senado deu alguma sinalização de que não é simpático à votação da matéria. Em outras ocasiões, Renan já havia criticado a intenção do governo de votar um pacote de reajuste salarial para o funcionalismo público, que foi aprovado na Câmara na última semana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia