Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de junho de 2016. Atualizado às 19h08.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

novo governo

13/06/2016 - 19h09min. Alterada em 13/06 às 19h09min

Proposta sobre bingos é importante, diz Eliseu Padilha

O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse que o governo reconhece que as propostas de regulamentação de jogos de azar poderia ser uma importante fonte de receita permanente, mas que o governo ainda está analisando para ver se realmente apoia a ideia. "Por certo que no conjunto das propostas a questão dos bingos é importante. O governo está debruçado sobre isso: criar fontes permanentes de receita. Claro que o peso previdência seria menor", disse, após encontro com representantes de centrais sindicais para debater a Reforma da Previdência.
O diretor financeiro da Central dos Sindicatos Brasileiros, Juvenal Pedro Cim, disse que apresentou a proposta na reunião e que ela foi muito bem aceita. "Houve consenso", disse. Segundo ele, o governo poderia arrecadar R$ 15 bilhões esse ano caso os bingos voltassem a funcionar.
Padilha afirmou que o governo vai estudar todas as propostas, reiterou "o problema da previdência é a sustentabilidade no longo prazo" e disse que no caso dos jogos de azar a ideia das centrais é que a tributação seja vinculada à área da assistência social e saúde. "O governo está estudando; todas as propostas das centrais ainda não resolveriam totalmente o déficit (da Previdência)", comentou.
Questionado se nessas possibilidades de criação de receita o governo pensa em incluir novos tributos, como a CPMF, Padilha foi categórico: "O governo não quer falar de CPMF". O ministro também não quis responder sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que cria um teto para o crescimento do gasto público, atrelado à inflação. "O governo ainda não fechou sua posição", limitou-se a dizer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia