Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 11 de junho de 2016. Atualizado às 12h30.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

imigração

11/06/2016 - 12h30min. Alterada em 11/06 às 12h30min

Refugiados sírios barrados na Grécia pagam para voltar para casa

A Europa parecia ser a terra prometida, pela qual valia a pena arriscar a vida. O sonho terminou, porém, num campo enlameado no extremo norte da Grécia. Agora, dezenas de refugiados sírios estão arriscando suas vidas novamente, mas na direção oposta. Eles estão pagando passadores para levá-los à Turquia e, de lá, voltarem para casa.
Em vez de enfrentar as ondas traiçoeiras do Mar Egeu novamente, eles vão pela perigosa corrente do Rio Evors, que corre pela fronteira entre a Grécia e a Turquia. A cada noite, grupos de refugiados se amontoam na estação de trem na pequena cidade fronteiriça de Didimoticho, a cerca de 3 quilômetros da fronteira, montando pequenas barracas e esperando por sua chance de atravessar.
Entre eles está Atia Al Jassem, um barbeiro de 27 anos nascido em Damasco, que viaja com sua esposa e uma filha de um ano depois de ter passado meses preso na fronteira da Grécia com a Macedônia, vendo suas esperanças de chegar à Europa desaparecerem.
"Estou indo a Turquia, eu não quero mais a Europa", diz. "Acabou", acrescenta. "Estamos muito cansados, destruídos, e eu tenho um bebê", lamenta. "Estaria melhor na Síria debaixo dos bombardeios do que aqui."
A família chegou à Grécia em fevereiro, atravessando o Egeu e atingindo o norte da Grécia, mas a jornada acabou na fronteira com a Macedônia.
Países europeus e dos Bálcãs estreitaram crescentemente restrições de entrada no início do ano, antes de fecharem fronteiras para os refugiados completamente em março.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia