Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de junho de 2016. Atualizado às 10h11.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

saúde

24/06/2016 - 10h06min. Alterada em 24/06 às 10h11min

Rio Grande do Sul registra primeiro caso de febre Chikungunya

Doença é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti

Doença é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti


RICHARD BOUHET/AFP/JC
O secretário de saúde do Estado, João Gabbardo dos Reis, confirmou nesta sexta-feira (24) que o Rio Grande do Sul registrou o primeiro caso de febre Chikungunya em 2016. O caso aconteceu no município de Ibirubá.
Gabbardo também confirmou que o Estado já registrou 143 óbitos por gripe A este ano. Somente nesta semana, a Secretaria Estadual de Saúde registrou 26 mortes. Em 2009 foram 334. Os óbitos pela gripe ocorreram em Porto Alegre, com 24 vítimas, Caxias do Sul, Montenegro, Canoas e São Gabriel, com 5, e Santa Maria, Santa Rosa e Sapiranga com 4 mortes.
A febre Chikungunya, assim como a dengue e a zika, é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Segundo o Ministério da Saúde, a doença causa febre de início repentino acima de 39 graus, dores intensas nas articulações, dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Entretanto, cerca de 30% dos casos não chegam a desenvolver sintomas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia