Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 23 de junho de 2016. Atualizado às 08h20.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

22/06/2016 - 13h15min. Alterada em 22/06 às 14h05min

Ambev, Coca-Cola e Pepsi tiram refrigerante de cantinas das escolas

 ALUNOS EM SALA DE AULA. A HORA DA MERENDA. ESCOLA PAULA SOARES.

Companhias vão fornecer sucos 100% natural, água mineral e de coco e bebidas lácteas


FREDY VIEIRA/JC
As gigantes mundiais de bebidas Coca-Cola, Ambev e Pepsi anunciaram nesta quarta-feira (22) que vão mudar o portfólio de produtos fornecidos às cantinas das escolas brasileiras. Sai o refrigerante - apesar de o produto não ter sido citado expressamente na nota conjunta divulgada pelas companhias - e ficam apenas sucos 100% natural, água mineral e de coco e bebidas lácteas.
O alvo das marcas é o combate à obesidade infantil. "É um problema complexo, causado por muitos fatores, e as empresas de bebidas reconhecem seu papel de ser parte da solução", comprometem-se Coca-Cola Brasil, Ambev e PepsiCo Brasil. O ajuste do portfólio entra em vigor em agosto em todo o País. A alteração atinge a venda ao público até 12 anos. As bebidas ofertadas devem atender a critérios nutricionais específicos e seguem diretrizes de associações internacionais de bebidas. 
Dados da Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde (PNDS) do Ministério da Saúde apontam que 7,3% das crianças com menos de cinco anos têm sobrepeso, taxa que sobe a 9,4% na região Sul, informações de 2006 usadas pela então Secretaria de Direitos Humanos. Na faixa de cinco a nove anos, a taxa sobe a 33,5% (dados de 2008/2009). 
As fabricantes disseram que os substitutos foram selecionados também em conversas com especialistas em saúde pública, alimentação e nutrição, além de profissionais e instituições ligadas aos direitos das crianças. Segundo a nota, a política valerá para cantinas que compram diretamente das fabricantes e distribuidores. Aquelas que se abastecem em supermercados e atacados serão "convidados a se unir à iniciativa". As marcas informaram que propuseram à Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas Não Alcoólicas (Abir) que as diretrizes sejam adotadas por todo o setor.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Sergio 22/06/2016 19h44min
Só espero que o suco seja natural e as aguas mineral não seja uma salmoura, com excesso de sal causando pressão alta nas crianças. Essa agua, deveria ser proibida.