Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de junho de 2016. Atualizado às 10h16.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 22/06/2016. Alterada em 22/06 às 10h17min

Inflamação provocada pela picada do Aedes ajuda vírus a se multiplicar, diz estudo

As picadas de mosquitos Aedes aegypti não provocam apenas coceira, inchaço e irritação, mas também ajudam os vírus da zika e da dengue a se multiplicarem, de acordo com dados de um novo estudo liderado por cientistas britânicos. Segundo os autores da pesquisa, a inflamação no local da picada pode ser um fator importante para explicar por que a dengue e o zika são assintomáticas em algumas pessoas e, em outras, tornam-se doenças graves, provocando hemorragias, má-formação e morte.
A pesquisa, liderada por Clive McKimmie, da Universidade de Leeds, do Reino Unido, foi publicada ontem, na Immunity, revista científica do grupo Cell. Os pesquisadores agora querem descobrir se o uso de cremes anti-inflamatórios no local da picada do mosquito pode impedir a evolução da infecção. Até agora, cientistas acreditavam que as diferenças observadas no grau de severidade de doenças como a dengue e o zika deveriam ser determinadas por variações genéticas nos vírus ou nos pacientes. Entretanto, com inúmeros estudos sendo feitos em um esforço mundial para deter a epidemia de zika, vários resultados sugerem que o Aedes aegypti está diretamente envolvido na severidade das doenças.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia