Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de junho de 2016. Atualizado às 22h16.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Transporte Público

Notícia da edição impressa de 20/06/2016. Alterada em 19/06 às 20h06min

EPTC deve lançar licitação para adquirir ônibus elétricos

Veículos reforçam o itinerário das linhas circulares C1, C2 e C3, da Carris

Bateria do coletivo dura 250 quilômetros e, para carregá-la, são necessárias três horas


MARCO QUINTANA/JC
Jessica Gustafson
Está sendo testado em Porto Alegre o terceiro ônibus elétrico que reforça o itinerário das linhas circulares C1, C2 e C3 da Carris. A avaliação dos coletivos teve início em abril e, até o final do mês, a prefeitura deve definir se adquire novos veículos para a frota da empresa, que tem custo de cerca de R$ 1,5 milhão cada.
De acordo com o diretor-presidente da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Vanderlei Cappellari, o ônibus foi desenvolvido nos padrões da frota de Porto Alegre. "Vamos discutir junto ao prefeito a possibilidade de lançar uma licitação para a compra de mais veículos como esse. Até o momento, todos os testes indicam que isso acontecerá, pois eles têm autonomia suficiente para rodar um dia inteiro, sendo o desempenho elétrico superior aos comuns. Eles também exigem menos manutenção e têm maior durabilidade, de cerca de 15 anos", explica.
Cappellari ressalta que a EPTC ainda está estudando se o investimento impactará a tarifa, pois cada ônibus custa o preço de três coletivos movidos a combustível fóssil (entre R$ 400 mil e R$ 500 mil cada). A bateria do ônibus elétrico dura 250 quilômetros e, para carregá-la, são necessárias três horas. "Após o relatório entregue pela Carris sobre a avaliação técnica, definiremos a viabilidade econômica. A intenção é iniciar o uso nas linhas circulares", diz.
O diretor-presidente da Carris, Sérgio Zimmermann, relata que a confecção do relatório está quase pronta e que a empresa optou, neste momento, por ampliar a circulação do ônibus, produzido no Brasil, para a linha T9. "Inicialmente, avaliamos o desempenho do coletivo produzido na China, que tinha sete anos de uso, e ficamos surpreendidos positivamente. Os técnicos da Carris visitaram empresas lá com até 700 veículos para ver como funcionava e isso é uma tendência mundial, pois eles não emitem poluentes", explica.
Devido à maior vida útil, à economia, por não utilizar diesel, e à facilidade de manutenção, Zimmermann acredita que, no fim das contas, a mudança seja até mais barata que a atual. Entretanto, ressalta que a implantação precisa ser bem estudada, pois significa uma modificação em toda a tecnologia da Carris. "Precisamos nos preparar para isso, pois não podemos ter dois tipos de ônibus na empresa. É preciso definir se continuamos como está ou se alteramos. Isso, claro, a longo prazo", completa.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia