Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 27 de dezembro de 2016. Atualizado às 17h30.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

Notícia da edição impressa de 09/06/2016. Alterada em 27/12 às 18h31min

Seduc não sabe se irá repor computadores roubados

Colégio perdeu 110 netbooks e um projetor multimídia em ação

Colégio perdeu 110 netbooks e um projetor multimídia em ação


JONATHAN HECKLER/JC
Suzy Scarton
Quando a diretora Nássara Scheck chegou à Escola Estadual de Ensino Fundamental Aurélio Reis, no bairro Floresta, em Porto Alegre, por volta das 6h de ontem, como faz todos os dias, deparou-se com um cenário nunca visto antes nos 30 anos em que atua no local. O portão e a porta do colégio estavam quebrados, e os cadeados, estourados. Preocupada, Nássara chamou uma vizinha para acompanhá-la, e juntas, entraram no colégio. Não foi difícil constatar o pior: a escola havia sido arrombada durante a noite. No total, 110 netbooks e um projetor multimídia foram levados.
A diretora estima que o prejuízo, levando em consideração o material furtado, o conserto da porta e do portão e o preço de um alarme, que será instalado em breve, chegue a pelo menos R$ 80 mil. Por enquanto, a Secretaria Estadual da Educação (Seduc) afirmou que não há um posicionamento sobre a reposição dos computadores.
Cada um dos computadores custa em torno de R$ 625,00. O projetor, por sua vez, sai por volta de R$ 240,00. "Se não ganharmos os computadores da secretaria, vai ficar difícil", lamenta a diretora. Ela já comprou os cadeados e o alarme e contará com o apoio de pais de alunos para realizar a instalação do aparelho.
Assim que percebeu o ocorrido, Nássara acionou a Brigada Militar (BM). No entanto, ela conta que a BM foi chamada também à meia-noite por pessoas que perceberam a movimentação. No entanto, nenhuma viatura compareceu. "Cada um diz uma coisa, um diz que a culpa é do outro. Já estou cansada", comentou.
Em setembro de 2011, o então governador Tarso Genro qualificou a escola como "referência de ensino" no Estado. A Aurélio Reis foi escolhida para compor o Projeto Escola Digital, juntamente com outras quatro instituições. Meses depois, em julho de 2012, a Seduc doou 280 netbooks para alunos e professores da escola. A entrega fazia parte do Projeto Província de São Pedro, que previa a distribuição de um computador por aluno e por professor. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia