Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de junho de 2016. Atualizado às 18h48.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

29/06/2016 - 18h46min. Alterada em 29/06 às 18h49min

Bovespa mantém recuperação e fecha em alta de 1,99%

A Bovespa teve um novo pregão de recuperação nesta quarta-feira (29), favorecido pela continuidade da trégua no nervosismo do cenário internacional. Os investidores da renda variável continuaram a buscar boas oportunidades de compra, apoiados na percepção de que a saída do Reino Unido da União Europeia acontecerá de maneira suave, com os bancos centrais atuando de maneira integrada para evitar solavancos na economia global. Com isso, o dólar perdeu força, as commodities subiram e a Bovespa acompanhou as altas nas bolsas da Europa e Estados Unidos.
O Índice Bovespa fechou em alta de 1,99% e recuperou o patamar dos 51 mil pontos (51.001,90 pontos), perdido na última sexta-feira. Com esse resultado, o índice passa a contabilizar alta de 5,22% em junho e está próximo de anular as perdas acumuladas desde o plebiscito britânico. Na bolsa de Londres, aliás, as perdas iniciais com o Brexit foram anuladas no pregão de hoje, após a alta de 3,58% do índice FTSE-100.
A alta dos preços do petróleo mais uma vez sustentou os papéis da Petrobras, que avançaram expressivamente. A commodity subiu 3,96% no contrato para agosto negociado na Nymex, com o barril cotado a US$ 49,88 por barril. Na Ice, o barril subiu 4,17% e atingiu US$ 50,61. Com isso, Petrobras ON subiu 2,84% e Petrobras PN avançou 3,26%. Os papéis da Vale acompanharam o desempenho positivo das ações ligadas a commodities e subiram 1,62% (ON) e 2,47% (PNA).
As ações de bancos voltaram a se destacar na alta, sintonizadas com os papéis de seus pares no exterior, que haviam sido fortemente penalizadas pelo Brexit. As units do Santander terminaram o dia com ganho de 2,94%, seguidas por Banco do Brasil ON (+2,87%) e Bradesco PN (+2,41%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia