Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de junho de 2016. Atualizado às 18h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

29/06/2016 - 18h14min. Alterada em 29/06 às 18h14min

Bolsas de Nova Iorque sobem pela 2ª sessão seguida com recuo de temor do Brexit

As bolsas norte-americanas fecharam em alta pelo segundo dia seguido nesta quarta-feira, 29, ajudando a apagar parte das perdas registradas desde sexta-feira, após a decisão do Reino Unido de deixar a União Europeia levar pânicos aos mercados.
O índice Dow Jones subiu 1,64%, aos 17.694,68 pontos, o S&P 500 avançou 1,70%, aos 2.070,77 pontos, e o Nasdaq ganhou 1,86%, aos 4.479,25 pontos.
Operadores citaram um senso de equilíbrio retornando ao mercado. Enquanto os ganhos das últimas sessões parecem ter sido conseguidos principalmente pela cobertura de posições vendidas, o rali de hoje parece ter dado impulso a alguns compradores, que passaram a se juntar ao movimento, disse Michael Antonelli, operador da Robert W. Baird.
"Existe bastante cobertura de posições, mas isso nunca é o suficiente para sustentar um rali, principalmente um de dois dias", argumentou.
Os índices acionários também ganharam um impulso após o petróleo negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechar em alta superior a 4,0% nesta quinta-feira. A commodity foi beneficiada por uma queda maior que a esperada dos estoques norte-americanos, divulgada hoje pelo Departamento de Energia (DoE).
Investidores passaram a acreditar que os riscos do Brexit são menores que os da época do Lehman Brothers, que deu largada à crise financeira de 2008, e também daqueles vistos durante a crise da dívida europeia em 2012, afirmou Andrew Sheets, do Morgan Stanley.
"As pessoas começam a crer que este é um assunto mais circunscrito a um país e não vai afetar todos os mercados", disse. "Até o momento, não parece ser um grande risco ao crescimento global."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia