Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de junho de 2016. Atualizado às 17h26.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

29/06/2016 - 17h26min. Alterada em 29/06 às 17h26min

Petróleo tem alta firme, puxado por dado de estoque dos EUA e dólar mais fraco

Os contratos futuros de petróleo fecharam em alta firme nesta quarta-feira com o barril negociado em Nova York registrando os maiores ganhos em uma única sessão desde abril. O bom humor dos investidores foi estimulado pelo dado semanal dos estoques de petróleo nos Estados Unidos, que mostrou recuo maior que o previsto.
O WTI para agosto, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em alta de 3,96%, aos US$ 49,88 por barril. Já o Brent para o mesmo mês, negociado em Londres, encerrou a sessão a US$ 50,61, em alta de 4,17%.
Os estoques de petróleo caíram 4,053 milhões de barris na semana encerrada em 25 de junho, o dobro do que previam os analistas consultados pelo Wall Street Journal. O Departamento de Energia dos EUA (DoE, na sigla em inglês) também reportou queda na produção da commodity.
De acordo com o banco alemão Commerzbank, "a atenção tem se voltado mais aos dados fundamentais novamente, que apontam para uma oferta mais apertada de petróleo". No entanto, é importante apontar que a recuperação do mercado como um todo desde a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia também contribuiu para a commodity.
O dólar mais fraco ontem e hoje, por exemplo, fez os investidores voltarem ao mercado de ações e às commodities, que mostraram fortes altas. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia