Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de junho de 2016. Atualizado às 16h53.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

29/06/2016 - 16h49min. Alterada em 29/06 às 16h53min

Pesquisa sobre desemprego na RMPA pode parar dia 1 de julho

Nogueira teria assegurado o repasse dos recursos, mas o Estado estaria exigindo documento escrito

Nogueira teria assegurado o repasse dos recursos, mas o Estado estaria exigindo documento escrito


ALEX FERREIRA/AGÊNCIA CÂMARA/JC
Patrícia Comunello
Os governos estadual e federal têm até esta quinta-feira (30) para evitar a interrupção da confecção da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), coordenada por um pool de instituições e feita há 24 anos. A apuração abrange 34 municípios e é hoje a única em andamento específica para a RMPA para medir a situação do mercado de trabalho e gerar subsídios a políticas setoriais na área pública, principalmente.
A incerteza sobre o repasse de verbas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) provoca a atual apreensão sobre o futuro da PED e já levou à demissão da equipe que coleta as informações todos meses. A pesquisa envolve R$ 1 milhão ao ano, com principal fonte recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). Nesta quarta-feira (29), foram divulgados os dados de maio, que apontaram leve recuo do desemprego. Os entrevistadores chegaram a coletar os dados sobre junho, assegurando ao menos mais uma rodada da PED. 
A coordenadora nacional da PED pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Lúcia Garcia, afirmou que o aviso-prévio dos técnicos que fazem a coleta de dados na rua vence nesta quinta-feira (30). “Há expectativa de que, se tudo continuar como está, a pesquisa paralise nesta sexta-feira (1 de julho), depois de 24 anos sendo feita”, alertou Lúcia. Esta sexta-feira coincide com o começo da coleta para a pesquisa de julho.
A coordenadora nacional lembrou em pouco mais de duas décadas a PED tem medido os movimentos de reestruturação produtiva, mudanças no mercado e as instabilidade e impacto da crise para o emprego. "Será uma perda inestimável!”
São 20 entrevistadores vinculadas a Studio, empresa contratada pela Fundação de Economia e Estatística (FEE). “Todos estão muito preocupados. Parece piada de mau gosto que, em pleno desemprego elevado, combata-se o problema acabando com a pesquisa que mede justamente o dado”, reagiu o analista da Studio Roberto Garcia. Desde outubro de 2015, a empresa preta serviço de apuração.
Em abril, pelo menos oito novas localidade da RMPA foram incluídas na coleta domiciliar. Agora são 34 municípios que têm a condição do mercado de trabalho escrutinada. Cada pesquisador tem um número de entrevistas mensais e precisa ir pessoalmente ao endereço da residência sorteada. São 2,5 mil domicílios monitorados pela PED todo mês, no ano são 78 mil pessoas.
O Jornal do Comércio entrou em contato com a assessoria de imprensa do ministro e da FGTAS e aguarda retorno sobre uma posição.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/02/24/206x137/1_jc_19960-441751.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'56ce209c66a85', 'cd_midia':441751, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/02/24/jc_19960-441751.jpg', 'ds_midia': ' O DIEESE, a Fundação Seade e os parceiros regionais divulgam os dados de janeiro da Pesquisa de Emprego e Desemprego na RM Porto Alegre.     na foto: Michele Krieger (e), Iracema Castelo Branco e Virginia Donoso  ', 'ds_midia_credi': 'MARCELO G. RIBEIRO/JC', 'ds_midia_titlo': ' O DIEESE, a Fundação Seade e os parceiros regionais divulgam os dados de janeiro da Pesquisa de Emprego e Desemprego na RM Porto Alegre.     na foto: Michele Krieger (e), Iracema Castelo Branco e Virginia Donoso  ', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
A economista Virginia Donoso (à esquerda, na foto acima), também do Dieese, lembra que o IBGE encerrou a Pesquisa Mensal de Emprego (PME), que abrangia seis regiões metropolitanas, entre elas a da Capital gaúcha. O acompanhamento é feito agora por meio da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad-Contínua).
“É uma amostra espalhada pelo Estado, que não tem como gerar dados específicos de mercado ou análises mais sofisticadas”, adverte Virginia. A PME foi interrompida após 36 anos sendo realizada. No site do instituto, o IBGE explica que a substituição visa a “atender a demanda de seus usuários por informações conjunturais sobre a força de trabalho com abrangência nacional”.
A economista do Dieese cita que a PED permite conhecer, por exemplo, dados sobre mercado de trabalho de jovens, idosos, mulheres, negros e emprego doméstico.

À espera de um documento do MTE

A aposta é que as diversas gestões políticas junto à Fundação Gaúcha de Trabalho e Ação Social (FGTAS) e ministério possam dar resultado. As conversas e encontros têm sido intensas desde a semana passado, quando o risco de interrupção circulou em redes sociais e grupos de discussão.
Um trunfo é o fato do atual titular da pasta ser o deputado federal gaúcho Ronaldo Nogueira de Oliveira (PTB), que dirigiu a FGTAS durante o governo de Yeda Crusius (PSDB), de 2008 a 2010. No fim da tarde dessa terça-feira (28), o diretor-presidente interino da fundação, Gilberto Baldasso, reuniu-se com Nogueira em Brasília.
O Estado estaria aguardando uma posição formal de Nogueira, que já se manifestou em conversas com os órgãos que não haverá problemas de repasse para manter a PED. “Mas precisamos de uma formalização, pois o governo estadual exige a garantia sobre o financiamento”, diz Lúcia. “Acreditamos na sensibilidade do ministro e na palavra dele.”
Apenas no Rio Grande do Sul há este impasse. Lúcia lembra que a Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) sofreu abalo em 2014, véspera da eleição estadual. Convênio com o Dieese não foi renovado pelo então governador Antonio Anastasia (PSDB, hoje senador), a pesquisa foi interrompida e somente agora deve ser retomada, explicou Lúcia. “Mas ficará um vazio de dados que não foram levantados por quase dois anos, isso não é possível recuperar”, lamentou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia