Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 29 de junho de 2016. Atualizado às 23h49.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 30/06/2016. Alterada em 29/06 às 21h04min

Desemprego cai na Capital e na Região Metropolitana

Indústria absorveu 12 mil novos empregados em maio, mostra a PED

Indústria absorveu 12 mil novos empregados em maio, mostra a PED


AFP/JC
Adriana Lampert
A taxa de desemprego caiu de 10,5% em abril para 10,2% em maio na Região Metropolitana de Porto Alegre (RMPA), e houve aumento da ocupação em todos os setores da economia. A indústria de transformação absorveu 12 mil novos empregados (4,5%) - mesmo número registrado no setor de serviços, que teve alta de 1,2% frente ao mês anterior; enquanto a construção respondeu por mais 6 mil ocupados (crescimento de 5,2%); e os segmentos de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas ampliaram em 1,3% na quantidade de trabalhadores (com mais 4 mil pessoas ocupadas). No total, foram menos 3 mil pessoas em busca de ocupação (198 mil em abril), totalizando 195 mil desempregados em maio.
Mas ainda não dá para dizer que o pior já passou, afirma a coordenadora da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED-RMPA) pela Fundação de Economia Estatística (FEE), Iracema Castelo Branco. "Apesar do aumento da ocupação em maio, o cenário de deterioração do mercado de trabalho se mantém, com retração do emprego em 4,8% frente ao mesmo período de 2015 - a maior queda da taxa registrada em maio desde 1992", explica. Segundo Iracema, os resultados se mantiveram "levemente recuados" em maio, devido à elevação do nível ocupacional - que foi de mais 35 mil trabalhadores (ou 2,1%) - ter superado o volume de ingresso de pessoas no mercado, registrado em 32 mil (ou 1,7%).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia