Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de junho de 2016. Atualizado às 18h20.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

27/06/2016 - 18h12min. Alterada em 27/06 às 18h20min

Dúvidas com Brexit persistem e Bovespa fecha em baixa de 1,72%

O giro financeiro totalizou R$ 4,900 bilhões

A baixa do Índice Bovespa foi puxada principalmente pelas ações do setor bancário


Miguel Schincariol/AFP/JC
A Bovespa chegou a ensaiar uma discreta alta na manhã desta segunda-feira (27), mas sucumbiu diante da aversão ao risco no mercado internacional e fechou em queda de 1,72%, com o Índice Bovespa em 49.245,53 pontos. A queda acompanhou o movimento negativo das bolsas na Europa e nos Estados Unidos, em meio às dúvidas sobre até que ponto a saída do Reino Unido da União Europeia vai interferir no ritmo da economia global.
A baixa do Índice Bovespa foi puxada principalmente pelas ações do setor bancário, sintonizadas com seus pares internacionais. No segundo pregão após o resultado do plebiscito que aprovou o "sim" ao Brexit por 51,9% dos votos, o índice FTSE 100, da bolsa de Londres, caiu 2,55%, tendo as ações do Barclays (-17,35%) entre os principais destaques. As ações de bancos refletem o temor de fuga de recursos de bancos europeus. As ações do segmento financeiro negociadas no Brasil seguiram a tendência, tendo Bradesco PN (-3,95%), Itaú Unibanco (-3,35%) e Santander Unit (-2,39%) entre os principais destaques.
As ações da Petrobras também foram destaque de baixa, ao acompanhar a desvalorização dos preços do petróleo nas bolsas de Nova York (-2,75%) e Londres (-2,58%). Ao final do pregão, Petrobras ON teve perda de 5,51% e Petrobras PN, de 5,08%. Já a alta de 3,5% do minério de ferro no mercado à vista chinês não foi suficiente para sustentar as ações da Vale em alta. Os papéis chegaram a subir pontualmente, mas se renderam às ordens de venda ainda pela manhã e terminaram o dia em queda de 2,70% (ON) e de 1,72% (PNA).
Assim como aconteceu na sexta-feira, a queda da Bovespa nesta segunda foi considerada "comedida" pelos analistas. Embora as ordens de venda de ações tenham sido comandadas pelos investidores estrangeiros, o volume de negócios continuou baixo. Foram movimentados R$ 5,337 bilhões, contra R$ 6,488 bilhões da média diária de junho. Para analistas ouvidos pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, a queda ainda reflete uma correção de preços, uma vez que os mercados vinham operando nos últimos dias animados pela expectativa de que o Brexit não se concretizaria.
Entre as ações que compõem o Ibovespa, as maiores altas do dia ficaram com Cosan ON (+2,27%), Raia Drogasil ON (+2,05%) e BB Seguridade ON (+1,95%).
Com o resultado de hoje, o Ibovespa passa a acumular alta de 1,60% em junho e de 13,60% em 2016.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia