Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de junho de 2016. Atualizado às 17h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

27/06/2016 - 17h28min. Alterada em 27/06 às 17h28min

Petróleo fecha em queda, reagindo ao Brexit e ao dólar valorizado

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda nesta segunda-feira (27) pela segunda sessão seguida, em reação ao plebiscito realizado no Reino Unido na semana passada que acabou decidindo a saída do país da União Europeia. O dólar mais alto também influenciou as vendas da commodity.
O WTI para agosto, negociado na New York Mercantile Exchange (Nymex) fechou em queda de 2,75%, aos US$ 46,33 por barril. Já o Brent para agosto, negociado em Londres, recuou 2,58%, e fechou aos US$ 47,16 por barril.
O resultado favorável ao Brexit (como ficou apelidada a saída do Reino Unido da União Europeia), divulgado na madrugada de sexta-feira, abalou a confiança dos investidores na estabilidade da economia global, que trocaram as ações, moedas e commodities por ativos seguros, como ouro e dólar, impulsionando o valor dos dois últimos.
De acordo com analistas do Morgan Stanley, o Brexit fez muitos investidores adiarem suas expectativas sobre uma recuperação maior dos preços do petróleo. A previsão é que altas expressivas só voltem a acontecer em 2017.
Por outro lado, na visão do presidente da consultoria Auspice, Tim Pickering, o petróleo está passando por um ajuste de preços após o preço do barril ter quase dobrado desde fevereiro. "O petróleo precisava de um respiro", afirmou. "O Brexit é apenas uma desculpa para isso". 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia