Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de junho de 2016. Atualizado às 13h31.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

27/06/2016 - 13h32min. Alterada em 27/06 às 13h32min

Após Brexit, secretário de Estado dos EUA pede tranquilidade ao mercado

Agência Brasil
O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, encontrou-se hoje (27), em Bruxelas, na Bélgica, com o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, com o objetivo de discutir uma solução para a crise política decorrente da saída do Reino Unido da União Europeia.
"Ninguém deve perder a cabeça", disse Kerry, ao falar sobre a instabilidade política e econômica provocada pela decisão dos britânicos que, em referendo na última quinta-feira (23), votaram pela saída do Reino Unido do bloco. O secretário de Estado deve ter um encontro ainda hoje com o primeiro-ministro britânico David Cameron. Em Bruxelas, Kerry reuniu-se também com a chefe de política externa da União Europeia, Frederica Mogherini.
A viagem do secretário de Estado dos Estados Unidos tinha inicialmente a meta de discutir a programação de temas da cúpula da Otan, que ocorrerá nos dias 8 e 9, de julho, em Bruxelas. Agora, depois do referendo britânico, a cúpula ganhou um novo significado para os países membros da Otan, que reúne, entre outros integrantes, 22 países da União Europeia.
Em entrevista a jornalistas, o secretário-geral Stoltenberg, disse que "depois que o Reino Unido decidiu abandonar a União Europeia, a Otan tornou-se não só uma plataforma ainda mais importante para a cooperação entre Europa e América do Norte, como também um mecanismo de defesa e de segurança entre os aliados europeus".
O resultado do referendo provocou, na sexta-feira, a desvalorização de 10% da libra esterlina - a moeda britânica - e a maior queda das bolsas de valores europeias em um período de cinco anos.
Hoje, o mercado financeiro mundial continou instável, apesar dos esforços dos líderes europeus para acabar com a incerteza política e econômica desencadeada pelo referendo britânico.
O ministro das Finanças do Reino Unido, George Osborne, disse que a economia britânica é forte o suficiente para lidar com a volatilidade causada pelo referendo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia