Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de junho de 2016. Atualizado às 09h06.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

27/06/2016 - 09h06min. Alterada em 27/06 às 09h06min

Confiança do setor de construção cai 1,1 ponto em junho, mostra FGV

Agência Brasil
O Índice de Confiança da Construção, medido pelo Fundação Getulio Vargas (FGV), caiu 1,1 ponto em junho, atingindo 68 pontos. Nos últimos três meses, o setor havia registrado alta acumulada de 2,5 pontos.
O Índice de Expectativas recuou três pontos, alcançando 74,9 pontos. Os dois quesitos que integram o índice recuaram, principalmente o que mede o otimismo com a situação dos negócios nos próximos seis meses, que variou -3,3 pontos.
Houve alta de 0,8 ponto no Índice da Situação Atual, atingindo 61,7 pontos, depois de cinco quedas consecutivas. O quesito que mais contribuiu para a alta foi o que mede o grau de satisfação das empresas com a situação atual dos negócios, com crescimento de 3,7 pontos em relação a maio.
Para o Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da FGV, a indefinição dos indicadores reflete o cenário nacional ainda dominado por incertezas. Segundo a pesquisa, 66,8% das empresas de construção dizem que a execução do programa de investimentos previstos para os próximos 12 meses é incerta.

Custo da construção varia 1,52%

O custo da construção em todo o Brasil teve taxa de variação de 1,52% em junho, acima do resultado do mês anterior, de 0,19%. O índice relativo a materiais, equipamentos e serviços registrou variação de 0,26%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,04%.
O índice referente à mão de obra apresentou variação de 2,64%. No mês anterior, a taxa foi de 0,32%. No grupo materiais e equipamentos, a variação foi de 0,21%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,07%.
A parcela relativa a serviços passou de uma taxa de -0,07% em maio para 0,46% em junho. Nesse grupo, foi destaque a aceleração da taxa do subgrupo projetos, cuja variação passou de -0,50% para 0,58%. O índice referente à mão de obra registrou variação de 2,64%, devido aos reajustes salariais em São Paulo e no Rio de Janeiro. No mês anterior, a taxa de variação foi de 0,32%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia