Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 27 de junho de 2016. Atualizado às 08h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

27/06/2016 - 08h58min. Alterada em 27/06 às 08h58min

Confiança do consumidor sobe 3,4 pontos em junho com melhora de expectativas

Último domingo de compras antes da data comemorativa atraiu consumidores para lojas e shoppings

Índice fechou o mês em 71,3 pontos, maior nível desde junho de 2015


JONATHAN HECKLER/JC
A confiança do consumidor subiu 3,4 pontos em junho ante maio, na série com ajuste sazonal, informou nesta segunda-feira, 27, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Com o resultado, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) fechou o mês em 71,3 pontos, maior nível desde junho de 2015, quando foi de 73,2. O resultado sucede uma alta de 3,5 pontos em maio.
Segundo a FGV, a alta "foi inteiramente determinada pela melhora das expectativas". "Há um descolamento entre as expectativas dos consumidores com relação aos próximos meses e a satisfação com a situação atual. Enquanto as primeiras avançam expressivamente pelo segundo mês consecutivo, a outra revisita o mínimo histórico", diz a FGV em nota.
Entre os componentes do ICC, o Índice de Expectativas (IE) avançou 6,0 pontos, atingindo 77,1 pontos, o maior nível desde janeiro de 2015 (81,7). Já o Índice da Situação Atual (ISA) caiu 0,8 ponto, atingindo 64,7 pontos.
Na comparação com junho de 2015, o ICC registrou alta de 2,9 pontos, informou a FGV. O índice é calculado dentro de uma escala de pontuação de até 200 pontos (quanto mais próximo de 200, maior o nível de confiança do consumidor).
"Considerando que a confiança do consumidor se mantém baixa em termos históricos, que a recuperação da economia deve ocorrer de forma lenta e que as famílias ainda se encontram muito comprometidas com endividamentos contraídos no passado, acredito que ainda veremos alguns trimestres de queda do consumo das famílias antes de retornarmos ao terreno positivo", diz a coordenadora da Sondagem do Consumidor, Viviane Seda Bittencourt, na nota distribuída pela FGV.
Segundo a FGV, o levantamento abrange amostra de 2.046 domicílios, com entrevistas entre os dias 1º e 22 deste mês.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia